Olinda Maria Rodrigues Prata :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Olinda Maria Rodrigues Prata

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Olinda Rodrigues nasceu, em 07 de julho de 1938, na Bahia. Viveu a infância e a mocidade na mesma casa. Naturalmente, essa moradia de vinte anos definirá o núcleo de sua geografia lírica e seus personagens que transitam por diversos poemas.

Formou-se em Letras Neolatinas pela Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia, em 1961. Lecionou francês e português no Rio de Janeiro e em Salvador e estudou em Paris e Sèvres, bem como no Québec.

Assumiu o cargo de Oficial de Chancelaria do Ministério de Relações Exteriores por um ano, servindo na Biblioteca do Itamaraty. Dedicou-se às traduções a partir de 1993, quando se aposentou pelo Instituto de Letras da UFBa. É principalmente tradutora literária, o que não a impediu de traduzir obras de linguística, educação ou, ainda, cultura.

Apresentou, sob o título Uma experiência de tradução, em seminário de maio de 1991 no Instituto de Letras da UFBa, o relato de sua atividade como tradutora do livro Introduction aux méthodes critiques pour l'analyse littéraire.

Verbete publicado em 26 de May de 2006 por:
Narceli Piucco
Marie-Hélène Catherine Torres

Excertos de traduções

Fragmentos de A crítica temática, de vários autores. Tradução de Olinda Maria Rodrigues Prata:

"Cette qualité inconnue d'un monde unique (...) peut-être était-ce en cela, disais-je à Albertine, qu'est la preuve la plus authentique du génie, bien plus que le contenu de l'oeuvre elle-même (...) j'expliquais à Albertine que les grands littérateurs n'ont jamais fait qu'une oeuvre, ou plutôt réfracté à travers des milieux divers une même beauté qu'ils apportent au monde (...) Vous verriez dans Stendhal un certain sentiment de l'altitude se liant à la vie spirituelle: le lieu élevé où Julien Sorel est prisonnier, la tour au haut de laquelle est enfermé Fabrice, ce clocher où l'abbé Blanès s'occupe d'astrologie et d'où Fabrice jette un si beau coup d'oeil."

"Essa qualidade desconhecida de um mundo único (...) talvez seja essa, dizia eu a Albertine, a prova mais autêntica do gênio, muito mais que o conteúdo da própria obra (...) Eu explicava a Albertine que os grandes literatos nunca fizeram senão uma única obra, ou melhor, refrataram através de meios diversos uma mesma beleza que trazem ao mundo. (...) Você verá em Stendhal um certo sentimento da altitude ligado à vida espiritual: o lugar elevado onde Julien Sorel está preso, a torre em cujo topo está encerrado Fabrice, o campanário onde o abade Blanès se ocupa de astrologia e de onde Fabrice lança uma bela olhadela."

(Marcel Proust, La prisonnière)

(Marcel Proust, A prisioneira)

Bergez, Daniel et al. A crítica temática. [Por: Olinda Maria Rodrigues Prata]. In: Métodos críticos para a análise literária. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (La critique thématique In: Méthodes critiques pour l'analyse littéraire)


"On habite avec un coeur plein un monde vide, et sans avoir usé rien on est désabusé de tout. L'amertume que cet état de l'âme répand sur la vie est incroyable; le coeur se retourne et se replie en cent manières, pour employer des forces qu'il sent lui être inutiles. Les anciens ont peu connu cette inquiétude secrète, cette aigreur des passions étouffées qui fermentent toutes ensemble: une grande existance politique, les jeux du gymnase et du Champs de Mars, les affaires du Forum et de la place publique remplissaient leurs moments et ne laissaient aucune place aux ennuis du coeur."

"Habita-se com um coração cheio, um mundo vazio; e sem ter aproveitado nada, está-se desencantado de tudo. A amargura que esse estado de alma espalha pela vida é incrível; o coração se volta e se fecha de cem maneiras para empregar forças que sente lhe serem inúteis. Os antigos conheceram pouco essa inquietação secreta, esse amargor das paixões abafadas que fermentam todas conjuntamente. Uma grande participação política, os jogos do ginásio e do Campo de Marte os negócios do Fórum e a praça pública preenchiam todos os seus momentos e não deixavam nenhum espaço para os fastios do coração."

(Chateaubriand: Génie du Christianisme)

(Chateaubriand, O gênio do cristianismo)

Bergez, Daniel et al. A crítica temática. [Por: Olinda Maria Rodrigues Prata]. In: Métodos críticos para a análise literária. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (La critique thématique. In: Méthodes critiques pour l'analyse littéraire)

Bibliografia

Traduções Publicadas

Bergez, Daniel et al. "A crítica temática". [Por: Olinda Maria Rodrigues Prata]. In: Métodos críticos para a análise literária. São Paulo: Martins Fontes, 1997. ("La critique thématique". In : Méthodes critiques pour l'analyse littéraire)

 

Laroche, Maximilien. O chapeuzinho vermelho entre a França e o Québec. [Por: Olinda Maria Rodrigues Prata]. Bahia: CANADART, 1995. Ensaio.

Saouter, Catherine. A Telenovela, Arte de Novos Narradores: formas e influências da narrativa telenovelesca. [Por: Olinda Maria Rodrigues Prata]. Bahia: CANADART II, 1994. (Le téléroman, art de nouveaux conteurs: formes et influences du récit téléromanesque)

Marchand, Helène. A Telenovela: rebento adulado e desprezado da cultura popular Quebequense. [Por: Olinda Maria Rodrigues Prata]. Bahia: CANADART I, 1993. Ensaio.

Obra própria

Prata, Olinda Maria Rodrigues. Papéis do Outono. Salvador: Edição do Autor, 2002.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.