Flávia Nascimento :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Flávia Nascimento

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Flávia Nascimento nasceu em Franca, Estado de São Paulo. É doutora em Literatura Francesa pela Universidade de Paris X Nanterre, título que obteve com a apresentação de uma tese sobre a representação literária de Paris nos anos vinte; é também mestra em Teoria da Literatura pelo Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP, ao qual apresentou, como dissertação de mestrado, uma tradução, acrescida de prefácio e notas, da narrativa surrealista O Camponês de Paris, de Louis Aragon. Como professora universitária, atuou em diversas universidades, francesas e brasileiras, ministrando cursos de literaturas brasileira, portuguesa, francesa e de litereratura comparada. Tem vários artigos publicados em revistas nacionais e estrangeiras, impressas e eletrônicas,  especialmente sobre narrativas do século XX.

Como tradutora literária traduziu, além de autores franceses, outros autores francófonos, entre os quais o marfinense Ahmadou Kourouma (cuja tradução de Alá e as crianças-soldados lhe valeu o prêmio FNAC - Maison de France de melhor tradução de romance de língua francesa, em 2004) e o egípcio Albert Cossery. Também atuou como tradutora de Ciências Humanas (filosofia, história, etc.). Do português para o francês, traduziu uma série de cartas fictícias do escritor brasileiro Ignácio Loyola Brandão (Cartas/Lettres). Além disso, traduziu artigos de Ciências Humanas do inglês para o francês.

Flávia afirma que raramente é possível escolher as obras a traduzir, pois é sempre a “agenda” do editor que estabelece as prioridades. Assim, já aceitou traduzir obras e autores com os quais não tem nenhuma afinidade estética, embora também tenha tido a ocasião prazenteira de traduzir textos que aprecia, pessoalmente, como leitora. Ela observa que a relação com as editoras varia; em geral, porém, o tradutor tem total liberdade para traduzir como quiser, com exceção do título da obra, em certos casos estabelecido pelo editor. Em sua opinião, para ser um bom tradutor é preciso ter razoável cultura geral e domínio perfeito da língua de chegada em seus vários registros; curiosidade intelectual, noções teóricas sobre os problemas de tradução e noções de linguística também ajudam. Para um tradutor literário, é necessário o conhecimento de história da literatura e dos autores traduzidos. Enfim, para ela o tradutor precisa ter certa dose de ousadia, caso contrário não consegue afastar-se da língua de partida para chegar “ao outro lado” da tradução.

Além de ensaios sobre literatura, Flávia escreve poemas e textos em prosa. Tem uma coletânea poética inédita que planeja publicar em breve; assina esses trabalhos como Flávia Nascimento Falleiros.

Verbete publicado em 8 de June de 2005 por:
Narceli Piucco
Marie-Hélène Catherine Torres

Modificado em 10 de May de 2007

Bibliografia

Traduções Publicadas

Aragon, Louis. O camponês de Paris. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: Imago, 1996, 259 p.(Le Paysan de Paris). Prefácio e notas de Flávia Nascimento.

Boudjedra, Rachid. Topografia ideal para uma agressão caracterizada. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Estação Liberdade, 2008. Apresentação da tradutora. (Topographie idéale pour une agression caractérisée).

Bardet, Gaston. O Urbanismo. [Por: Flávia Nascimento]. Campinas: Papirus, 1990. (L'Urbanisme).

Brandão, Ignácio Loyola. Lettres. [Por: Flávia Nascimento; Jean-Yves Mérian (versão em francês)]. São Paulo / Porto Alegre: Iluminuras / Funproarte, 2004. (Cartas).

Druon, Maurice. Os Reis Malditos. [Por: Flávia Nascimento]. (Les Rois maudits). Série Histórica composta pelos tomos:

Quando um rei perde a França. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. (Quand un roi perd la France)

A Flor-de-lis e o Leão. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. (Le Lis et le Lion.)

A Lei dos varões. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. (La loi des mâles.)

A Loba de França. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. (La Louve de France.)

A Rainha estrangulada. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. (La reine étranglée)

Os Venenos da coroa. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. (Les poisons de la couronne.)

 O rei de ferro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. (Le roi de fer.)

Ferro, Marc. Cinema e história. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Paz e Terra, 1992. (Cinéma ethistoire).

Kourouma, Ahmadou. Alá e as crianças-soldado. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Estação Liberdade, 2003. (Allah n'est pas obligé).

Lama, Dalai. Pacificando o espírito. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.(Pacifier l'esprit).

Leroux, Gaston. A poltrona assombrada. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Ática, 1998. (LeFauteuil hanté).

Manon, Simone. Platão. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Martins Fontes, 1992. (Platon).

Misrahi, Robert. A Felicidade: ensaio sobre a alegria. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. (Le Bonheur, essai sur la joie).

Morin, Edgar. (Coord.) A religação dos saberes: o desafio do século XXI. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. (Relier les connaissances: le défi du XXI). Vários autores.

Pankow, Gisela. O homem e seu espaço vivido: análises literárias. [Por: Flávia Nascimento]. Campinas: Papirus, 1988. (L'Homme et son espace vécu, analyses littéraires).

Paty, Michel. D'Alembert. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.(D'Alembert).

Rahimi, Atiq. Terra e cinzas: um conto afegão. [Por: Flávia Nascimento]. São Paulo: Estação Liberdade, 2002. (Terre et cendres).

Romana, Muriel. Marco Polo: a caravana de Veneza. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. (Marco Polo: La caravane de Venise).

Stalloni, Yves. Os gêneros literários: a comédia, o drama, a tragédia. O romance, a novela, os contos, a poesia. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. (Les genres littéraires).

Tournier, Michel. Sexta-feira ou a vida selvagem. [Por: Flávia Nascimento]. Rio de Janeiro: BertrandBrasil, 2001. (Vendredi ou la vie sauvage).

Artigos traduzidos do inglês para o francês

« La situation des enfants-ouvriers aux yeux de l'Occident: un débat sur des sables mouvants ». Paris: Editions Karthala, 2003. (Child workers: the shifting debate.)

« Les femmes à la suite des guerres civiles en Afrique ». Paris: Editions Karthala, 2003. (Women in the aftermath of civil war.)

Obra própria

Alguns ensaios:

« Les entrelacements de l'Histoire, de la mémoire et de la fiction dans Alexandra Alpha, de J. Cardoso Pires ». Revue Crisol, Paris, v. 7, p. 49-60, 2006.

« L'effet d'excès dans O Guarani ». Cahier du Centre de Recherche sur les pays lusophones, Paris, v. 13, 2006.

« Poiesis e auto-poiesis em Sinais de Fogo, de Jorge de Sena ». Scripta, Belo Horizonte, v. 19, 2006.

« O poeta expulso da República, prenúncios e rastros da História em Sinais de Fogo, de Jorge de Sena ». Revista Metamorfoses, Rio de Janeiro, Lisboa, v. 7, 2006.

« A Paris d’O Camponês ». Revista Letras, Curitiba, v. 70, 2006.

« Quelques réflexions sur Lisbonne, Livre de bord, Voix, regards, ressouvenances, de J. Cardoso Pires ». Archive Ouverte en Sciences de L'homme et de La Société Hal Shs, Paris, 2006. http://halshs.ccsd.cnrs.fr/index.php?halsid=e731ebaad4204f8e09eb57518d7bcb61&view_this_doc=halshs-00009484&version=1

« Passantes: de Poe & Baudelaire a Mac Orlan (passando por Aragon, Breton, Restif, Zola) ». Agulha, revista eletrônica de cultura, v. 52, p. 1-14, 2006.

http://www.revista.agulha.nom.br/ag52nascimento.htm

« Les jeux de la transtextualité dans Pedro e Paula, de Helder Macedo, à partir d'Esaú e Jacó, de Machado de Assis ». In: Au carrefour des littératures brésilienne et portugaise: influences, correspondances, échanges (19ème-20ème siècles), Ed. Lusophone, Fondation Calouste Gulbenkian, 2006, Paris, p. 211-226.

«La correspondance de Mário de Andrade et Câmara Cascudo: un apport à la construction de la brésilianité». Cahier du Centre de Recherche sur les pays lusophones, Paris Sorbonne, v. 11, p. 168-185, 2004.

« As artimanhas do esteta-artífice. Apontamentos sobre a composição d'O Museu negro, de André Pieyre de Mandiargues ». Revista Letras, Curitiba, v. 62, p. 41-59, 2004.

« Les migrants nordestins à São Paulo: entre intégration et rejet ». Revista Crisol, Paris Nanterre, v. 7, p. 219-229, 2003.

« Paris pós-guerra ». Revista Letras, Curitiba, v. 59, p. 61-76, 2003.

« Notas sobre o mito literário de Paris: de Restif aos surrealistas ». Agulha Revista de Arte e Cultura, São Paulo-Fortaleza, v. 25, 2002.

http://www.revista.agulha.nom.br/ag25nascimento.htm

Tese de doutorado:

Paris dans la littérature française des années vingt: contribution à l'histoire de la représentation. 1a. ed. Lille: Atelier National de reproduction de thèses (ANRT), 1998. 493 p., ISBN 22840160.

Dissertação de mestrado:

O Camponês de Paris de Louis Aragon, com apresentação e notas da tradutora, seguidos de um posfácio sobre as dificuldades da tradução. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

Poemas e prosas curtas em revistas eletrônicas e impressas:

"Garçon manqué", revista eletrônica Escritoras Suicidas, edição 6. 2006. http://www.escritorassuicidas.com.br/edicao6_5.htm#flavianascimento6

« Noturno para as metrópoles de luso-América » . 2006.

http://www.cronopios.com.br/site/prosa.asp?id=1566

« A um passante » , « versos livres para Blake » , « Ave-Maria » , « Poema oculto » , « Retrato dos avós paternos quando jovens » e « As coleções da tia ». 2006.

http://www.germinaliteratura.com.br/fnascimento.htm

"Homem". 2006.

http://www.escritorassuicidas.com.br/edicao8_5.htm#flavianascimento8

« Breve poética”, “Poemeto”, “Poema dúbio”, “Engarrafamento”, Revista Inimigo Rumor, n° 17, RJ, 2005.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.