Antonio Houaiss :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Antonio Houaiss

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Professor, latinista, filólogo, enciclopedista, dicionarista, bibliólogo, ensaísta, crítico literário, jornalista e tradutor, Antonio Houaiss, filho de imigrantes libaneses, nasceu no Rio de Janeiro, em 15 de outubro de 1915. Reconhecido humanista, aos 16 anos de idade iniciou sua formação intelectual dando aulas de língua portuguesa. Em 1934, foi professor de Português, Latim e de Literatura do magistério secundário da então capital brasileira. Licenciado em Letras Clássicas pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (1942), seguiu, após doze anos de magistério, carreira diplomática, entrando em 1945 para o Instituto Rio Branco do Itamaraty, de formação de diplomatas. Assumiu posto no exterior em 1947 como vice-cônsul do Consulado Brasileiro em Genebra, servindo também como secretário da Embaixada no Brasil em São Domingos e Atenas. Foi membro da Comissão de Anistia de Presos Políticos de Ruanda-Urundi (1962), relator da IV Comissão da Assembleia Geral das Nações Unidas (1963), além de ocupar inúmeros outros cargos.

Em meados da década de 50, concomitante à carreira diplomática, iniciou uma longa carreira dedicada aos estudos de filologia, lexicografia, crítica literária e tradução. Entre 1956 e 1958, foi colaborador e pesquisador da Casa Rui Barbosa, secretário-geral do Primeiro Congresso Brasileiro de Dialectologia e Etnografia (1958), membro da Comissão Machado de Assis (1958) e da Academia Brasileira de Filologia (1960), redator do Correio da Manhã e colaborador em vários jornais da imprensa de São Paulo e Rio de Janeiro(1964/5), membro da Academia Brasileira de Letras (1971) e presidente dos Sindicatos dos Escritores do Rio de Janeiro (1978). Foi também colaborador de dicionários bilíngues inglês-português (Barsa, Webster's) e responsável pela coordenação da edição brasileira da Encyclopaedia Britannica, a Enciclopédia Mirador Internacional e da Grande Enciclopédia Delta-Larousse, ambas organizadas em um espaço de dez anos (1964-1974).

Estudioso da língua portuguesa, seus trabalhos na área de Filologia, muitas vezes realizados ao lado de renomados linguistas e gramáticos brasileiros, entre eles Antenor Nascentes, Celso Cunha, Rocha Lima e Aurélio Buarque de Holanda, são exemplos de um lavor incessante que, em 1986, culminou na elaboração de seu projeto maior, o Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa, concluído por sua equipe - que se reúne no Instituto de Lexicografia que leva o seu nome - e publicado em 2001.

Autor de inúmeras publicações, seus conhecimentos em língua inglesa levaram-no também à tradução da célebre obra de James Joyce, Ulisses, lançada em 1966, e por muitos considerada uma tradução monumental pelas inovações linguísticas. Ainda na área de tradução, organizou e presidiu o Congresso Internacional de Tradutores, realizado no Instituto Internacional de Cultura, em Campos/RJ, em 1990. No mesmo ano, foi laureado com o Prêmio Moinho Santista, na categoria língua, e em 1996, eleito à presidência da Academia Brasileira de Letras.

Antonio Houaiss faleceu no Rio de Janeiro, em 07 de março de 1999.

Verbete publicado em 18 de July de 2006 por:
Gleiton Lentz
Andréia Guerini

Excertos de traduções

Fragmento de Ulisses, de James Joyce. Tradução de Antonio Houaiss:

Stately, plump Buck Mulligan came from the stairhead, bearing a bowl of lather on which a mirror and a razor lay crossed. A yellow dressinggown, ungirdled, was sustained gently behind him on the mild morning air. He held the bowl aloft and intoned:

Sobranceiro, fornido, Buck Mulligan vinha do alto da escada, com um vaso de barbear, sobre o qual se cruzavam um espelho e uma navalha. Seu roupão amarelo, desatado, se enfunava por trás à doce brisa da manhã. Elevou o vaso e entoou:

- Introibo ad altare Dei.

- Introibo ad altare Dei.

Halted, he peered down the dark winding stairs and called out coarsely:

Parando, perscrutou a escura escada espiral e chamou asperamente:

- Come up, Kinch! Come up, you fearful jesuit!

- Suba, Kinch. Suba, jesuíta execrável.

Solemnly he came forward and mounted the round gunrest. He faced about and blessed gravely thrice the tower, the surrounding land and the awaking mountains. Then, catching sight of Stephen Dedalus, he bent towards him and made rapid crosses in the air, gurgling in his throat and shaking his head. Stephen Dedalus, displeased and sleepy, leaned his arms on the top of the staircase and looked coldly at the shaking gurgling face that blessed him, equine in its length, and at the light untonsured hair, grained and hued like pale oak.

Prosseguiu solenemente e galgou a plataforma de tiro. Encarando-os, abençoou, grave, três vezes a torre, o campo circunjacente e as montanhas no despertar. Então, percebendo Stephen Dedalus, inclinou-se para ele, traçando no ar rápidas cruzes, com grugulhos guturais e meneios de cabeça. Stephen Dedalus, enfarado e sonolento, apoiava os braços sobre o topo do corrimão e olhava friamente a meneante cara grugulhante que i bendizia, eqüina de comprimento, e a cabeleira clara não rosada, estriada e matizada como carvalho pálido.

Buck Mulligan peeped an instant under the mirror and then covered the bowl smartly.

Buck Mulligan mirou-se um instante sob o espelho e em seguida recobriu o vaso com vivacidade:

- Back to barracks! he said sternly.

- Ao quartel! - disse peremptório.

He added in a preacher's tone:

Acrescentou, em tom predicante:

- For this, O dearly beloved, is the genuine Christine: body and soul and blood and ouns. Slow music, please. Shut your eyes, gents. One moment. A little trouble about those white corpuscles. Silence, all.

- Porque isto, ó bem amados, é a autêntica Christina: corpo e alma, e sangue e chagas. Música lenta, por favor. Fechar os olhos, cavalheiros. Um instante. Uma pequena complicação com estes corpúsculos brancos. Silêncio, minha gente!

He peered sideways up and gave a long slow whistle of call, then paused awhile in rapt attention, his even white teeth glistening here and there with gold points. Chrysostomos. Two strong shrill whistles answered through the calm.

Escrutando de esguelha as alturas, emitiu um longo assobio grave de chamamento, deteve-se depois por instantes numa atenção extática, os brancos destes iguais brilhando aqui e ali em pontos de ouro. Chrysostomos. Dois fortes silvos estrídulos responderam através da calma.

- Thanks, old chap, he cried briskly. That will do nicely. Switch off the current, will you?

- Obrigado, meu velho - gritou animoso. - A coisa vai. Corte a corrente, sim?

He skipped off the gunrest and looked gravely at his watcher, gathering about his legs the loose folds of his gown. The plump shadowed face and sullen oval jowl recalled a prelate, patron of arts in the middle ages. A pleasant smile broke quietly over his lips.

Pulou da plataforma de tiro e olhou sério para o seu observador, arrepanhando pelas pernas as bandas soltas do roupão. A fornida cara sombreada e a soturna queixada oval lembravam um prelado, protector das artes, da Idade Média. Um sorriso divertido abrochou-lhe, calmo, os lábios.

- The mockery of it! he said gaily. Your absurd name, an ancient Greek!

- A pilhéria que há nisso - disse jovial. - Esse seu nome absurdo, em grego antigo.

He pointed his finger in friendly jest and went over to the parapet, laughing to himself. Stephen Dedalus stepped up, followed him wearily halfway and sat down on the edge of the gunrest, watching him still as he propped his mirror on the parapet, dipped the brush in the bowl and lathered cheeks and neck.

Apontou-o com o dedo em gesto amigo, e retornou ao parapeito, rindo de si para si. Stephen Dedalus galgou os degraus, seguiu-o a meio caminho com fastio e sentou-se no bordo do parapeito, olhando-o impassível, que apoiava o espelho no parapeito, mergulhava o pincel no vaso e ensaboava bochechas e pescoço.

Buck Mulligan's gay voice went on.

A voz jovial de Buck Mulligan prosseguia:

- My name is absurd too: Malachi Mulligan, two dactyls. But it has a Hellenic ring, hasn't it? Tripping and sunny like the buck himself. We must go to Athens. Will you come if I can get the aunt to fork out twenty quid?

- Meu nome é absurdo também: Malachi mulligan, dois dáctilos. Mas soa helênico, não soa? Ágil e ensolarado como um cabrito mesmo. Precisamos ir a Atenas. Você virá, se consigo arrancar da tia umas vinte librazinhas?

He laid the brush aside and, laughing with delight, cried:

Pôs de lado o pincel e, rindo com deleite, gritou:

- Will he come? The jejune jesuit!

- Virá ele, esse mirrado jesuíta?

Ceasing, he began to shave with care.

Descontinuando, começou a barbear-se com cuidado.

- Tell me, Mulligan, Stephen said quietly.

- Diga-me, Mulligan - disse Stephen com calma.

- Yes, my love?

- Sim, querido?

- How long is Haines going to stay in this tower?

- Quanto tempo Haines vai ficar nesta torre?

Buck Mulligan showed a shaven cheek over his right shoulder.

Buck Mulligan exibiu uma bochecha barbeada sobre seu ombro direito.

- God, isn't he dreadful? he said frankly. A ponderous Saxon. He thinks you're not a gentleman. God, these bloody English! Bursting with money and indigestion. Because he comes from Oxford. You know, Dedalus, you have the real Oxford manner. He can't make you out. O, my name for you is the best: Kinch, the knife-blade.

- Por Deus, não é abominável? - disse com franqueza. - Que saxão pesado. Pensa que você não é um cavalheiro. Por Deus, esses malditos ingleses. Arrebentando de dinheiro e de indigestão. Porque vem de Oxford. Você sabe, Dedalus, você tem a verdadeira marca de Oxford. Ele não pode entendê-lo. Oh, para você reservo o melhor nome: Kinch, a lâmina-gume.

He shaved warily over his chin.

Barbeava-se com minúcia o queixo.

- He was raving all night about a black panther, Stephen said. Where is his guncase?

- Ele passou a noite delirando com uma pantera negra - disse Stephen. - Onde está o estojo de fuzil dele?

- A woful lunatic! Mulligan said. Were you in a funk?

- É um lunático infeliz - disse Mulligan. - Você estava aterrorizado, não?

- I was, Stephen said with energy and growing fear. Out here in the dark with a man I don't know raving and moaning to himself about shooting a black panther. You saved men from drowning. I'm not a hero, however. If he stays on here I am off.

- Estava - disse Stephen com energia e medo acrescido. - Nesta escuridão, com um sujeito que não conheço, delirando e lamuriando-se, a querer abater uma pantera negra. Você já salvou gente de afogamento. Mas eu não sou herói. Se ele fica aqui, dou o fora.

Buck Mulligan frowned at the lather on his razorblade. He hopped down from his perch and began to search his trouser pockets hastily.

Buck Mulligan franziu o sobrolho à espuma da navalha. Saltou do seu poleiro e começou a buscar sôfrego nos bolsos das calças.

- Scutter! he cried thickly.

Que porra - disse rudemente.

[...]

[...]

 
 
 

What qualifying considerations allayed his perturbations?

Que considerações qualificantes mitigavam suas perturbações:

The difficulties of interpretation since the significance of any event followed its occurrence as variably as the acoustic report followed the electrical discharge and of counterestimating against an actual loss by failure to interpret the total sum of possible losses proceeding originally from a successful interpretation.

As dificuldades de interpretação já que a significação de qualquer evento seguia sua ocorrência tão variavelmente quanto o rumor acústico seguia a descarga elétrica e de contra-estimativa contra uma perda efectiva por falha no interpretar a soma total das perdas possíveis procedentes originalmente de uma interpretação bem-sucedida.

 

His mood?

Sua disposição?

He had not risked, he did not expect, he had not been disappointed, he was satisfied.

Não arriscara, não esperara, não se desapontara, estava satisfeito.

 

What satisfied him?

Que o satisfazia?

To have sustained no positive loss. To have brought a positive gain to others. Light to the gentiles.

Ter não sofrido nenhuma perda positiva. Ter levado um ganho positivo a outros. Luz ao gentio.

 

How did Bloom prepare a collation for a gentile?

Como preparava Bloom uma colação para um gentil?

He poured into two teacups two level spoonfuls, four in all, of Epps's soluble cocoa and proceeded according to the directions for use printed on the label, to each adding after sufficient time for infusion the prescribed ingredients for diffusion in the manner and in the quantity prescribed.

Deitou em duas chávenas de chá duas colheradas rasas, quatro ao todo, do chocolate solúvel de Epps e procedeu conformemente com as indicações para uso impressas na etiqueta, a cada uma agregando depois de tempo suficiente para a infusão os ingredientes prescritos para a difusão na maneira e quantidade prescritas.

 

What supererogatory marks of special hospitality did the host show his guest?

Que superrogatórias marcas de hospitalidade especial fez o hóspede ao seu visitante?

Relinquishing his symposiarchal right to the moustache cup of imitation Crown Derby presented to him by his only daughter, Millicent (Milly), he substituted a cup identical with that of his guest and served extraordinarily to his guest and, in reduced measure, to himself the viscous cream ordinarily reserved for the breakfast of his wife Marion (Molly).

Abandonando seu direito simposiarcal à xícara-bigode imitação de Derby da Coroa presenteada a ele por sua filha única, Millicent (Milly), ele substituiu uma xícara idêntica com a de seu visitante e serviu extraordinariamente ao seu visitante e, em medida reduzida, a si mesmo o viscoso creme ordinariamente reservado para o desjejum de sua esposa Marion (Molly).

 

Was the guest conscious of and did he acknowledge these marks of hospitality?

Era o visitante cônscio e apreciou ele essas marcas de hospitalidade?

His attention was directed to them by his host jocosely, and he accepted them seriously as they drank in jocoserious silence Epps's massproduct, the creature cocoa.

Sua atenção foi voltada para elas por seu hóspede jocosamente e ele aceitou-as seriamente no que bebiam em silêncio jocossério o produto em massa de Epps, a criatura chocolate.

 

Were there marks of hospitality which he contemplated but suppressed, reserving them for another and for himself on future occasions to complete the act begun?

Houve marcas de hospitalidade que ele contemplou mas reprimiu, reservando-as para o outro e para si em ocasiões futuras para contemplar o acto começado?

The reparation of a fissure of the length of 1 1/2 inches in the right side of his guest's jacket. A gift to his guest of one of the four lady's handkerchiefs, if and when ascertained to be in a presentable condition.

A reparação de uma fenda do comprimento de 11/2 polegada no lado direito do paletó do visitante. O presente ao seu visitante de um dos quatro lenços de senhora, se e quando verificado estar em condições presenteáveis.

 

Who drank more quickly?

Quem bebeu mais depressa?

Bloom, having the advantage of ten seconds at the initiation and taking, from the concave surface of a spoon along the handle of which a steady flow of heat was conducted, three sips to his opponent's one, six to two, nine to three.

Bloom, tendo a vantagem de dez segundos ao início e tomando, da superfície côncava da colher ao longo de cujo cabo um rápido fluxo de calor era conduzido, três sorvos contra um do seu oponente, seis contra dois, nove contra três.

 

What cerebration accompanied his frequentative act?

Que cerebração acompanhava seu acto freqüentativo?

Concluding by inspection but erroneously that his silent companion was engaged in mental composition he reflected on the pleasures derived from literature of instruction rather than of amusement as he himself had applied to the works of William Shakespeare more than once for the solution of difficult problems in imaginary or real life.

Concluindo por inspecção mas erroneamente que seu silente companheiro estava engajado numa composição mental ele reflectia sobre os prazeres derivados da literatura de instrução antes que de recreação como ele mesmo aplicara às obras de Willian Shakespeare mais de uma vez para a solução de problemas difíceis da vida imaginária ou real.

 

Had he found their solution?

Encontrara-lhes ele solução?

In spite of careful and repeated reading of certain classical passages, aided by a glossary, he had derived imperfect conviction from the text, the answers not bearing in all points.

A despeito de cuidadosa e repetida leitura de certas passagens clássicas, ajudada de glossário, derivara convicção imperfeita do texto, não correspondendo as respostas a todos os pontos.

 

What lines concluded his first piece of original verse written by him, potential poet, at the age of 11 in 1877 on the occasion of the offering of three prizes of 10/-, 5/- and 2/6 respectively for competition by the Shamrock, a weekly newspaper?

Que versos concluíam sua primeira peça de poesia original escrita por ele, poeta potencial, com a idade de 11 anos em 1877 por ocasião em que se ofereceram três prêmios de 10/-, 5/- e 2/6 respectivamente por Shamrock, periódico semanal?

An ambition to squint
At my verses in print
Makes me hope that for these you'll find room?.
If you so condescend
Then please place at the end
The name of yours truly, L. Bloom.

De ver eu me confesso
Este poema impresso
Desejoso em vosso jornal em canto algum.
Se assim condescendeis
Ao seu fim lhe poreis
O nome deste criado e obrigado, L. Bloom.

 

Did he find four separating forces between his temporary guest and him?

Encontrou ele forças separantes entre seu temporário visitante e ele?

Name, age, race, creed.

Nome, idade, raça, credo.

 

What anagrams had he made on his name in youth?

Que anagramas fizera ele com seu nome da juventude?

Leopold Bloom
Ellpodbomool
Molldopeloob
Bollopedoom
Old Ollebo, M. P.

Leopold Bloom
Ellpodbomool
Molldopeloob
Bollopedoom
Old Ollebo,.MP.

 

What acrostic upon the abbreviation of his first name had he (kinetic poet) sent to Miss Marion (Molly) Tweedy on the 14 February 1888?

Que acróstico sobre o hipocorístico do seu primeiro nome houve ele (poeta cinético) enviado à senhorita Marion Tweedy a 14 de fevereiro de 1888?

Poets oft have sung in rhyme
Of music sweet their praise divine.
Let them hymn it nine times nine.
Dearer far than song or wine.
You are mine. The world is mine.

Poetas cantaram não raro em rhyma
O doce encanto de sua divina.
Loas em hymno de toada fina.
Dou eu agora à que me domina
Yaya gentil minha vida e sina.

Joyce, James. Ulysses. New York: The Modern Library, 1992, pp 3-9 e 676-679.

Joyce, James. Ulisses. [Por: Antonio Houaiss]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000, pp 09-11 e 812-815

Bibliografia

Traduções Publicadas

Joyce, James. Ulisses. [Por Antonio Houaiss]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966. (Ulysses)

Joyce, James. Ulisses.14.ed. [Por Antonio Houaiss]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.  (Ulysses)

Joyce, James. O gato e o diabo. [Por Antonio Houaiss]. Rio de Janeiro: Record, 1995. (The cat and the devil)

Shuster, Jean. Os arcanos maiores da poesia surrealista e sua exaltação. [Por Antonio Houaiss]. São Paulo: Brasiliense/Aliança Francesa, 1988. (Les arcanes majeurs de la poesie surrealiste et leur exaltation)

Sayers, Raymond S. O negro na literatura brasileira. [Por Antonio Houaiss]. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1958. (The negro in Brazilian literature)

Obra própria

Antologias organizadas

Silva Alvarenga: poesia. Rio de Janeiro: Agir, 1958. poesia. Rio de Janeiro: Agir, 1960.

Augusto dos Anjos:

Noel Nutels: memórias e depoimentos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974.

Crítica/Estudos literários

Houaiss, Antonio. Crítica avulsa. Salvador: Universidade da Bahia, 1960.

Houaiss, Antonio. Seis poetas e um problema. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1967.

Houaiss, Antonio. Drummond mais seis poetas e um problema. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

Houaiss, Antonio. Estudos vários sobre palavras, livros e autores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

Filologia, bibliologia e documentação

Houaiss, Antonio. Tentativa de descrição do sistema vocálico do português culto na área dita carioca: dialectologia e ortofonia. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1959.

Houaiss, Antonio. Sugestões para uma política da língua. Rio de Janeiro: INL, 1960.

Houaiss, Antonio. Introdução filológica às Memórias Póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1961.

Houaiss, Antonio. Elementos de bibliologia. Rio de Janeiro: INL, 1967.

Houaiss, Antonio et al. Editoração hoje. Rio de Janeiro: FGV, 1981.

Houaiss, Antonio. A crise de nossa língua de cultura. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

Houaiss, Antonio. O português no Brasil. Rio de Janeiro: Unibrade - Centro de Cultura, 1985.

Houaiss, Antonio. O que é língua? São Paulo: Brasiliense, 1990.

Houaiss, Antonio. A nova ortografia da Língua Portuguesa. São Paulo: Ática, 1991.

Ensaio político

Houaiss, Antonio. A defesa. Rio de Janeiro: Avenir, 1979.

Houaiss, Antonio et al. Brasil-URSS: 40 anos do estabelecimento de relações diplomáticas. Rio de Janeiro: Revan, 1985.

Houaiss, Antonio et al. Perfil do pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Bolsa de Valores do RJ/Sindicato dos Escritores RJ, 1988.

Houaiss, Antonio & Coutto, Pedro. Brasil: o fracasso do conservadorismo. São Paulo: Ática, 1989.

Houaiss, Antonio & Amaral, Roberto. Socialismo: vida, morte e ressurreição. Petrópolis: Vozes, 1993.

Houaiss, Antonio & Amaral, Roberto. A modernidade no Brasil: conciliação ou ruptura? Petrópolis: Vozes, 1995.

Dicionários (editoria e organização)

Novo Dicionário Barsa das línguas inglesa e portuguesa. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1964. Em colaboração com Catherine B. Avery.

New appleton dictionary of english and portuguese languages. New York: Appleton-Century-Crofts, 1967.

Pequeno dicionário enciclopédico Koogan-Larousse. Rio de Janeiro: Larousse, 1979.

Exitus Dictionary of the english and portuguese languages. New Jersey: Prentice-Hall, 1983.

Webster's dicionário inglês-português. Rio de Janeiro: Record, 2000. Em colaboração com Ismael Cardim.

Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva/Instituto Houaiss de Lexicografia, 2001.

Dicionário Houaiss de sinônimos e antônimos. Rio de Janeiro: Objetiva/Instituto Houaiss de Lexicografia, 2003.

Dicionário Houaiss de verbos da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003. Organização de Vera Cristina Rodrigues.

Enciclopédias (editoria e organização)

Grande Enciclopédia Delta-Larousse. Rio de Janeiro: Delta, 1972.

Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, 1980.

Enciclopédia e dicionário ilustrado. Rio de Janeiro: Delta, 1994. Em colaboração com Abrahão Koogan.

Gastronomia

Houaiss, Antonio. A cerveja e seus mistérios. Rio de Janeiro: Salamandra, 1986.

Houaiss, Antonio. Receitas rápidas. São Paulo: Círculo do Livro/Art Editora, 1987.

Sobre o autor

Martins, Marília e Abrantes, Paulo Roberto (Orgs.). 3 Antonios, 1 Jobim: histórias de uma geração (o encontro de Antonio Callado, Antonio Candido, Antonio Houaiss e Antonio Carlos Jobim). Rio de Janeiro: Relume-Dumara, 1993. Entrevista.

Mariz, Vasco (Org.). Antonio Houaiss: uma vida. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. Biografia.

 

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.