Regina Lyra :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Regina Lyra

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Regina (Maria de Oliveira Tavares de) Lyra nasceu no Rio de Janeiro em 14 de abril de 1948. Formou-se em Direito na PUC/RJ em 1971 e exerceu a advocacia durante 15 anos. Muito cedo começou a ter contato com a língua inglesa e a francesa como professora particular desde os 18 anos. Mais tarde, como advogada, frequentemente traduzia textos jurídicos de/para português.

Em 1997, participou da primeira turma de Especialização em Tradução Inglês-Português da PUC-RJ, passando desde então a exercer esse ofício como atividade principal, primeiramente na área de legendagem para televisão (filmes, documentários e óperas) e depois na editorial. Sua monografia de final de curso – Explicar é preciso? Notas de tradutor: quando, como e onde, publicada na Revista Fragmentos (volume 8 – no. 1), da Universidade Federal de Santa Catarina – despertou-lhe a paixão pela prática e pelo ensino de tradução literária.

Atualmente atua, sobretudo, nessa área e outros gêneros, traduzindo do inglês, do francês e do espanhol, eventualmente vertendo para inglês e francês documentos jurídicos e peças processuais a pedido de escritórios de advocacia.

Desde 2004 dá aulas no Curso de Formação de Tradutores Inglês-Português, de extensão, na PUC/RJ, e a partir de 2009 vem conduzindo Oficinas de Tradução Literária com enfoques diversos, na mesma instituição.

Verbete publicado em 25 de February de 2012 por:
Marie-Hélène Catherine Torres
Gilles Jean Abes

Excertos de traduções

Excerto de "A primeira luz da manhã", de Thrity Umrigar. Tradução de Regina Lyra.

I sit in the living room thinking evil thoughts about myself, knowing that I am berating myself at least in part out of clear-eyed calculation. Because I want to feel something and if I can’t cry for Babu perhaps I can shed tears of self-pity. But the ruse doesn’t work.

Fico sentada na sala pensando coisas ruins a meu respeito, sabendo que estou me censurando ao menos em parte de forma bastante calculista. Porque quero sentir alguma coisa e, se não posso chorar por Babu, quem sabe consigo derramar algumas lágrimas de autopiedade. Mas o artifício não dá resultado.

The tears didn’t come that day and they didn’t come until years later on a cold winter’s day in Columbus, Ohio, about eight thousand miles away from the hot, foetid city in which Babu had spent most of his life. The tears finally came that day because I was homesick and I suddenly thought of Babu, all alone in the England of the early 1950s… And suddenly I was weeping for that disappointed young man who came back to Bombay having labeled himself a failure and for how lonely and scared and alone he must’ve been in England. I was crying because I realized that Babu never talked about his year in England because the stench of failure was too strong. And I wondered what he would’ve thought of me, the second member of the family to venture out in the big wide world. Would he have been proud? Nervous? Even a little jealous? And then it hits me that I’ll never know because Babu stopped knowing me at the age of fifteen and I remember how his death changed my family forever, made us all grow up and grow old before our time and then I’m crying, crying, crying for the years that Babu never had with his beloved Freny and crying for my father whose youth ended that day in April 1977 and above all, I’m crying for me, finally, I’m crying for me, for that frightened, lost kid who tried her best to hold her unraveling family together, for that poor, miserable fifteen-year-old who was charged with fighting with the moon, and for that ugly, awkward, skinny girl who would never be anyone’s first darling of the morning any more.

As lágrimas não brotaram naquela data e em nenhuma outra até anos mais tarde, num dia frio de inverno em Columbus, Ohio, a mais de 12 mil quilômetros da cidade quente e fétida onde Babu morou durante a maior parte da vida. As lágrimas brotaram afinal porque eu estava com saudades de casa e, de repente, pensei em Babu, totalmente sozinho na Inglaterra no início dos anos 1959, estudando para o exame da Marinha Mercante e sendo reprovado. De repente comecei a chorar por aquele jovem decepcionado que voltou para Bombaim se rotulando de fracassado, chorei pelo tanto que ele deve ter se sentido só e amedrontado na Inglaterra. Porque me dei conta de que Babu jamais falou sobre sua estadia na Inglaterra, pois o ranço do fracasso era forte demais. E me perguntei o que ele teria pensado a meu respeito, o segundo membro da família a se aventurar no mundão lá fora. Teria sentido orgulho? Aflição? Uma pontinha de inveja, talvez? Depois me ocorreu que eu jamais saberia porque Babu deixara de me conhecer aos 15 anos e me lembrei de como a sua morte mudou para sempre a minha família. Então, chorei, chorei e chorei muito, pelos anos que Babu não teve com sua amada Freny, pelo meu pai, cuja juventude acabou naquele dia de abril de 1977 e, sobretudo, chorei por mim. Afinal chorei por mim, por aquela criança assustada, perdida, que tentou, da melhor maneira possível, unir sua família meio desmanchada, pela pobre adolescente sofrida de 15 anos encarregada de lutar com a lua, e pela garota feiosa, estranha e magrela que jamais voltaria a ser a primeira luz da manhã de ninguém.

 

 

Umrigar, Thrity. “A primeira luz da manhã”. In: _____. Um Lugar para Todos. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008. (Bombay time).

Bibliografia

Traduções Publicadas

Ficção:

Adornetto, Alexandra. Halo [Por: Regina Lyra com Adalgisa Campos da Silva]. Rio de Janeiro: Agir, 2010. (Halo).

Alsanea, Rajaa. Vida Dupla. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007. (Girls of Riyadh).

Amirrezvani, Anita. Os Fios da Fortuna. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007. (The blood of flowers).

Cameron, Bruce. Quatro Vidas de um Cachorro. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Agir, 2011. (A dog’s purpose).

Ford, Jamie. Um Hotel na Esquina do Tempo. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010. (The hotel on the corner of bitter and sweet).

Musso, Guillaume. E depois... [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. (Et après...)

______________. Socorro! [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. (Sauve-moi).

Stiefvater, Maggie. Espera. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Agir, 2011. (Linger).

Tropper, Jonathan. Como Falar com um Viúvo. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Sextante, 2010. (How to talk to a widow).

Umrigar, Thrity. Um Lugar para Todos. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008. (Bombay time).

Wilson, Susan. Uma Segunda Chance. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Sextante, 2011. (One good dog).

Outros gêneros:

Allen, John L. Jr. Opus Dei. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. (Opus Dei).

Baigent, Michael. Os Manuscritos de Jesus. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. (The Jesus Papers).

Broad, William J. O Oráculo. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007. (The Oracle).

Chomsky, Noam. O Império Americano. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. (Hegemony or survival).

Eagleton, Terry. O Debate sobre Deus. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. (Reason, Faith and Revolution).

Humbert, Agnès. Resistência. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. (Résistance).

Landes, David. Dinastias. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. (Dynasties).

Levitt, Steven & Dubner, Stephen. Freakonomics. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. (Freakonomics).

Levy, Shawn, Paul Newman, uma vida. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Agir, 2010. (Paul Newman, a life). biografia

Maier, Corinne. Bom-dia Preguiça! [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. (Bonjour paresse!)

Naouri, Aldo. Pais e Mães, Culpados ou Inocentes. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. (Les Pères et les mères).

Norris, Kathleen. O Caminho do Claustro. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Record Nova Era, 1998. (The Cloister Walk). diário

O’Kelly, Eugene. Claro como o Dia. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. (Chasing Daylight). diário

Robson, Andrew. Einstein. [Por: Regina Lyra com Marco Moriconi]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. (Einstein). biografia

Stout, Martha. Meu Vizinho é um Psicopata. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Sextante, 2010. (The sociopath next door).

Sultan, Masuda. Minha Guerra Particular. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. (My war at home). diário

Umrigar, Thrity. A Primeira Luz da Manhã. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2010. (First darling of the morning). diário

Vargas Llosa, Mario. Cartas a um Jovem Escritor. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. (Cartas a un joven novelista).

Zimmer, Carl. A Fantástica História do Cérebro. [Por: Regina Lyra]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. (Soul made flesh).

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.