Piotr Kilanowski :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Piotr Kilanowski

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Piotr Kilanowski nasceu em 1969, em Poznań, uma das cidades mais antigas da Polônia. Radicado no Brasil há 29 anos, é Doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pesquisador, professor no curso de Letras-Polonês da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e tradutor de importantes poetas poloneses do século XX, entre os quais Wisława Szymborska (1923-2012), ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura em 1996. Cursou, entre 1987 e 1990, Filologia Hispânica (com habilitação em Inglês) na Universidade de Adam Mickiewicz (UAM), uma das principais da Polônia. No mesmo ano, veio para o Brasil e iniciou o curso de Letras na Universidade de Brasília (UnB), obtendo a graduação em 1995. Dois anos depois, concluiu o mestrado em Literatura, também na UnB. Foi neste período, quando já ministrava aulas em cursos de graduação e pós-graduação em universidades do Distrito Federal, que Piotr Kilanowski descobriu a paixão pela tradução. Suas primeiras traduções – sobretudo poemas escritos originalmente em português, polonês, russo, inglês e espanhol – foram movidas pelo desejo de compartilhar textos e autores que admirava com pessoas próximas, que não poderiam lê-los se não fossem traduzidos. Foi este desejo que levou Piotr Kilanowski a mergulhar, a partir de 2009 e de maneira sistemática, na tradução de grandes nomes da literatura polonesa para o português: ele queria facilitar aos alunos do então recém-inaugurado curso de Letras-Polonês da UFPR o acesso a textos de autores poloneses ainda não traduzidos para o português. De lá para cá, e apesar de traduções publicadas em revistas literárias brasileiras e polonesas de poemas escritos em outros idiomas, Kilanowski se dedica à tradução das línguas dos dois países com os quais mantém uma relação cultural e afetiva maior: Polônia e Brasil. Um trabalho que, até agora, levou aos leitores poloneses um pouco da poesia de Paulo Leminski (1944-1989), e trouxe aos brasileiros, a força de poemas de Anna Świrszczyńska (1909-1984), Jerzy Ficowski (1924-2006) e Zbigniew Herbert (1924-1998), todos eles autores do pós-guerra, e Władysław Szlengel (1912-1943), que ficou conhecido como o poeta do Gueto de Varsóvia. 

 

Verbete publicado em 17 de July de 2019 por:
Vássia Silveira
Andréia Guerini

Excertos de traduções

Excerto do poema Pan Cogito o postawie wyprostowanej, de Zbigniew Herbert. Tradução de Piotr Kilanowski.

PAN COGITO O POSTAWIE WYPROSTOWANEJ

O SENHOR COGITO SOBRE A POSTURA ERETA

1

W Utyce
obywatele
nie chcą się bronić

w mieście wybuchła epidemia
instynktu samozachowawczego

świątynie wolności
zamieniono na pchli targ

senat obraduje nad tym
jak nie być senatem

obywatele
nie chcą się bronić
uczęszczają na przyspieszone kursy
padania na kolana

biernie czekają na wroga
piszą wiernopoddańcze mowy
zakopują złoto

szyją nowe sztandary
niewinnie białe
uczą dzieci kłamać

otworzyli bramy
przez które wchodzi teraz
kolumna piasku

poza tym jak zwykle
handel i kopulacja

1

Em Útica
os cidadãos
não querem se defender

na cidade eclodiu a epidemia
do instinto de sobrevivência

os templos da liberdade
foram transformados em mercados de pulgas

o senado está deliberando
como não ser o senado

cidadãos
não querem se defender
frequentam cursos intensivos
de cair de joelhos

passivamente esperam pelo inimigo
escrevem discursos servis
enterram o ouro

costuram novos estandartes
inocentemente brancos
ensinam as crianças a mentir

abriram os portões
pelos quais entra agora
uma coluna de areia

fora isso como sempre
negócios e fornicação

 

 

HERBERT, Zbigniew, Pan Cogito. Warszawa: Czytelnik, 1974.

HERBERT, Zbigniew. Podróż Pana Cogito/A viagem do Senhor Cogito. [Por Piotr Kilanowski. Revisão da tradução: Eneida Favre]. Seleção e organização de Danuta Opacka-Walasek e Piotr Kilanowski. Katowice: Wydawnictwo Gnome, 2016. Poesia. p. 82-85.

Dois poemas poemas de Anna Świrszczyńska. Tradução de Piotr Kilanowski.

Strzelać w oczy człowieka

Atirar nos olhos de um homem

pamięci Wieśka Rosińskiego

 

em memória de Wiesiek Rosiński

 

Miał piętnaście lat,
był najlepszym uczniem z polskiego.
Biegł z pistoletem
na wroga.

Zobaczył oczy człowieka,
powinien był strzelić w te oczy.
Zawahał się.
Leży na bruku.

Nie nauczyli go
na lekcjach polskiego
strzelać w oczy człowieka.

Tinha quinze anos
era o melhor aluno de polonês.
Corria com a pistola
contra o inimigo.

Viu os olhos do homem,
deveria ter atirado naqueles olhos.
Hesitou.
Está estendido na calçada.

Não lhe ensinaram
nas aulas de polonês
a atirar nos olhos de um homem.

 

 

 

 

Gdy strzelasz we mnie

Quando atiras em mim

Przez okamgnienie
patrzymy sobie w oczy.
Gdy minie okamgnienie
strzelisz we mnie.

Ciężko jest umrzeć
ciężko jest zabić
w moich oczach trwoga
w twoich oczach trwoga
zabijasz te dwie trwogi
strzelając
we mnie.

Durante uma piscadela
nos miramos nos olhos.
Quando passar a piscadela
atirarás em mim.

É duro morrer
é duro matar
nos meus olhos o pavor
nos teus olhos o pavor
matas esses dois pavores
atirando
em mim.

 

 

ŚWIRSZCZYŃSKA, Anna. Budowałam barykadę. Warszawa: Czytelnik, 1974.

ŚWIRSZCZYŃSKA, Anna. Eu construía a barricada. [Por Piotr Kilanowski. Revisão da tradução: Eneida Favre]. Organização e introdução de Piotr Kilanowski. Curitiba: Dybbuk, 2017, p. 38-39 e 157-157

Bibliografia

Traduções Publicadas

FICOWSKI, Jerzy. A leitura das cinzas. [Por Piotr Kilanowski]. Organização de Piotr Kilanowski. Belo Horizonte/Veneza: Âyiné, 2018. (Odczytanie popiołów). Poesia. Revisão da tradução: Eneida Favre.

HERBERT, Zbigniew. Podróż Pana Cogito/ A viagem do Senhor Cogito. [Por Piotr Kilanowski]. Seleção e organização de Danuta Opacka-Walasek e Piotr Kilanowski. Katowice: Wydawnictwo Gnome, 2016. Poesia. Revisão da tradução: Eneida Favre.

HERBERT, Zbigniew. Três poemas de Zbigniew Herbert. [Por Piotr Kilanowski]. In: MENDONÇA, Vanderlei (Org.) et al. Lira argenta. São Paulo: Demônio Negro, 2017, p. 344-359. Poesia.

LEMINSKI, Paulo. Powróciło moje polskie serce/Meu coração de polaco voltou. [Por Piotr Kilanowski & Konrad Szcześniak]. Curitiba: Casa da Cultura Polônia Brasil, 2015. Organização de Piotr Kilanowski.

LEMINSKI, Paulo. Powróciło moje polskie serce/ O meu coração de polaco voltou. [Por Piotr Kilanowski & Konrad Szcześniak]. Katowice: Gnome, 2014.  Organização e seleção de Piotr Kilanowski.

MIŁOSZ, Czesław. Três poemas de Czesław Miłosz. [Por Piotr Kilanowski]. In: MENDONÇA, Vanderlei (Org.) et al. Lira argenta. São Paulo: Demônio Negro, 2017, p. 330-343. Poesia.

ŚWIRSZCZYŃSKA, Anna. Eu construía a barricada. [Por Piotr Kilanowski].  Organização e introdução de Piotr Kilanowski. Curitiba: Dybbuk, 2017. (Budowalam barykadę). Poesia. Revisão da tradução: Eneida Favre.

SZLENGEL, Wladyslaw. A janela para o outro lado. Poemas do Gueto de Varsóvia. [Por Piotr Kilanowski]. Fortaleza: Dybbuk, 2018. Poesia. Organização e notas de Piotr Kilanowski.

SZYMBORSKA, Wisława. Riminhas para crianças grandes. [Por Piotr Kilanowski & Eneida Favre].. Introdução de Piotr Kilanowski. Belo Horizonte/Veneza: Âyiné, 2018. (Rymowanki dla dużych dzieci) Poesia. Organização de Piotr Kilanowski e Eneida Favre

SZYMBORSKA, Wisława. Três poemas de Wisława Szymborska. [Por Piotr Kilanowski]. In: MENDONÇA, Vanderlei (Org.) et al. Lira argenta. São Paulo: Demônio Negro, 2017, p.316-329. Poesia.  

 

Obra própria

Livros organizados

KILANOWSKI, Piotr. Memórias de luz: Histórias de poloneses Justos. Curitiba: Casa da Cultura Polônia Brasil, 2015.

KILANOWSKI, Piotr e ABEL, C. A. S. (Org.). Leituras e reflexões. 1. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998. v. 1.

Ensaios sobre tradução

KILANOWSKI, Piotr. O tym, co można ujrzeć po drugiej stronie lustra, czyli garść refleksji o odbiciach, tłumaczeniach i wierszach. Postscriptum polonistyczne, v. 21, p. 113-138, 2018.

KILANOWSKI, Piotr. Como é que se diz em polonês. A história da tradução, nascida e nascida. Qorpus, v. 26, p. 2, 2018. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-026/como-e-que-se-diz-em-polones-a-historia-da-traducao-nascida-e-nascida-piotr-kilanowski/

KILANOWSKI, Piotr. Lendo as cinzas, encontrando diamantes. In: Kilanowski, Piotr. (Org.). Jerzy Ficowski - A leitura das cinzas. 1ª ed. Veneza - Belo Horizonte: Âyiné, 2018, v. 1, p. 7-35.

KILANOWSKI, Piotr.  O podróży i o przekraczaniu granic/ Sobre a viagem e a transposição de limites [Por Eneida Favre]. In: HERBERT, Zbigniew. Podróż Pana Cogit/ A viagem do Senhor Cogito. [Por Piotr Kilanowski. Revisão da tradução: Eneida Favre]. Seleção e organização de Danuta Opacka-Walasek e Piotr Kilanowski. Katowice: Wydawnictwo Gnome, 2016, p. 126-139.

KILANOWSKI, Piotr. Po słowie z poetą, czyli kilka słów od tłumacza. In: LEMINSKI, Paulo. Powróciło moje polskie serce/O meu coração de polaco voltou. [Por Piotr Kilanowski e Konrad Szcześniak]. Organização e seleção de Piotr Kilanowski. 1ª. Ed. Katowice: Gnome, 2014, p. 97-100.

Ensaios sobre a obra dos autores traduzidos

KILANOWSKI, Piotr. Poesia: sussurro, grito e silêncio – sobre três poemas de Iossif Brodskii, Aleksander Wat e Zbigniew Herbert. Qorpus, v. 24, p. 10, 2017. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-024/5231-2/

KILANOWSKI, Piotr. A poesia contra os mitos. Notas sobre Anna Swirszczynska. Qor/pus, v. 25, p. 1, 2017. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-25/notas-sobre-anna-swirszczynska-e-a-poesia-contra-os-mitos-piotr-kilanowski/

KILANOWSKI, Piotr.  Poesia, ironia e resistência. Wisława Szymborska olha para o totalitarismo. QORPUS, v. 22, p. 7, 2016. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-22/poesia-ironia-e-resistencia-wislawa-szymborska-olha-para-o-totalitarismo-piotr-kilanowski/

KILANOWSKI, Piotr. Paulo Leminski - Ostatni wielki poeta popularny Brazylii. Poezja dzisiaj, v. 109, p. 58, 2015.

KILANOWSKI, Piotr. O poeta como testemunha. Uma brevíssima reflexão sobre dois poemas de Czesław Miłosz. Qorpus, v. 16, p. 7, 2015. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-016/o-poeta-como-testemunha-uma-brevissima-reflexao-sobre-dois-poemas-de-czeslaw-milosz-piotr-kilanowski/

KILANOWSKI, Piotr. 'Dar voz a um lugar vazio'. Sobre Jerzy Ficowski, memória, silêncio e poesia. Qorpus, v. 17, p. 2, 2015. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-017/dar-voz-a-um-lugar-vazio-sobre-jerzy-ficowski-memoria-silencio-e-poesia-piotr-kilanowski/

KILANOWSKI, Piotr. “Porque afinal cada começo é só continuação” – sobre acasos, destinos, amores e a carreira multimidiática de um poema de Wisława Szymborska. Qorpus, v. 18, p. 1, 2015. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-18/porque-afinal-cada-comeco-e-so-continuacao-sobre-acasos-destinos-amores-e-a-carreira-multimidiatica-de-um-poema-de-wislawa-szymborska-piotr-kilanowski/

KILANOWSKI, Piotr. Vicente Huidobro - Poeta jest małym bogiem. Poezja dzisiaj, v. 111, p. 94-105, 2015. Disponível em: http://pisarze.pl/index.php/eseje/10743-piotr-kalinowski-vicente-huidobro-poeta-jest-malym-bogiem.html

KILANOWSKI, Piotr. Zbigniew Herbert, Marco(s) Aurélio(s) e a mão estendida entre a herança e a deserção. Qorpus, v. 19, p. 3, 2015. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-19/4124-2/

 

KILANOWSKI, Piotr. Os nomes e o silêncio. Reflexão sobre dois poemas de Wisława Szymborska no quadro da poesia polonesa sobre Shoah. Qorpus, v. 15, p. 5, 2014. Disponível em: http://qorpus.paginas.ufsc.br/como-e/edicao-n-015/os-nomes-e-o-silencio-reflexao-sobre-dois-poemas-de-wislawa-szymborska-no-quadro-da-poesia-polonesa-sobre-shoah-piotr-kilanowski/

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.