Patrícia Prata :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Patrícia Prata

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Patrícia Prata pertence ao restrito grupo de tradutores brasileiros especialistas em literatura latina que se encontram em permanente atividade. Assim como a maioria dos que hoje em dia fazem parte desse grupo, une o ofício de tradutora aos da academia. Em 1997, tornou-se bacharel em linguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp (IEL). Pelo mesmo instituto, veio a adquirir o título de mestre em linguística, em 2002, e atualmente conclui um doutoramento na mesma área.

Já atuou como profissional da área de Letras em diferentes instituições de ensino, e hoje é professora na Unicamp. Nesta universidade, Prata é uma das responsáveis pela docência de Língua e Literatura Latina. Desde os tempos de graduação em linguística, demonstra inclinação por temas de estudo ligados à Antiguidade Clássica. Ainda cedo dirigiu seus esforços ao estudo da língua latina, e a partir dela teve acesso a todo o universo clássico. Para expandir seu domínio nesse campo de pesquisa, estudou também a língua grega. Além do grego e do latim, Patrícia Prata é ainda proficiente em italiano e faz bom uso do inglês.

Ao optar por aprofundar-se em literatura latina, escolheu um autor em especial: Ovídio. Em sua dissertação de mestrado, dedicou-se a analisar uma qualidade específica do estilo deste autor latino: o caráter alusivo presente em Tristia (Tristes) - uma de suas obras, composta por cinco livros, em que fala da vida no exílio e pede clemência ao imperador Augusto. Além da chamada 'arte alusiva', intertextualidade e tradução são algumas das principais linhas de pesquisa de Patrícia Prata. Entre suas traduções do latim, tem publicados trechos de obras de Virgílio, Marcial e Ovídio. Do grego, publicou a tradução de um excerto de Medeia (Medeia), de Eurípides, que se inicia no verso 764 e termina no verso 810. Há seis anos atrás, com a tradução de parte do segundo canto da Eneida, de Virgílio, obteve o 1º lugar no Concurso de Tradução de Texto Poético Latino realizado pelo IEL da Unicamp. Suas demais traduções, ainda não publicadas, servem-lhe de material didático de apoio para as aulas de latim que ministra para estudantes de letras, durante as quais realiza seus principais laboratórios para a prática tradutória.

Desde 1999, Patrícia Prata integra o corpo editorial da revista de tradução Modelo 19 e, desde 1995, faz parte da comissão editorial da revista de estudos clássicos Phaos. Como tradutora, pretende manter em seu escopo a literatura clássica, com especial atenção à literatura latina. Prata prefere escrever artigos comentando sua prática a complementar as traduções com paratextos ou notas. Recentemente concluiu a tradução de Tristia.

Verbete publicado em 28 de September de 2005 por:
Luiz Henrique Milani Queriquelli
Mauri Furlan

Excertos de traduções

Fragmento de Tristes (1,3), de Ovídio. Tradução de Patrícia Prata:

TRISTIA I

(3, 1-26)

 

TRISTES I

(3, 1-26)

 

Cum subit illius tristissima noctis imago

Qua minhi supremum tempus in urbe fuit,

Cum repeto noctem, qua tot minhi cara reliqui,

Labitur ex oculis nunc quoque gutta meis.

Iam prope lux aderat, cum discedere Caesar

Finibus extremae iusserat Ausoniae.

Nec spatium fuerat nec mens satis apta parandi:

Torpuerant longa pectora nostra mora;

Non mihi seruorum, comites non cura legendi,

Non aptae profugo uestis opisue fuit.

Non aliter stupui quam qui Iouis ignibus ictus

Viuit et est uitae nescius ipse suae.

Ut tamen hanc animi nubem dolor ipse remouit

Et tandem sensus conualuere mei,

Adloquor extremum maestos abiturus amicos,

Qui modo de multis unus et alter erat.

Uxor amans flentem flens acrius ipsa tenebat

Imbre per indignas usque cadente genas.

Nata procul Libycis aberat diuersa sub oris

Nec poterat fati certior esse mei.

Quocumque aspiceres, luctus gemitusque sonabant

Formaque non taciti funeris intus erat.

Femina uirque meo pueri quoque funere maerent

Inque domo lacrimas angulus omnis habet.

Si licet exemplis in paruo grandibus uti,

Haec facies Troiae, cum caperetur, erat.

Quando me vem à mente a imagem tristíssima daquela noite

Que foram meus últimos momentos na cidade,

Quando relembro a noite na qual abandonei tantas coisas a mim caras,

Ainda agora, escorre uma lágrima de meus olhos.

Já se aproximava a luz do dia em que César ordenara que partisse

Dos limites extremos da Ausônia.

Não houvera tempo, nem disposição suficiente para preparar o necessário:

Meu peito entorpecera pela longa demora.

Não me preocupei em escolher escravos nem companheiros,

Nem roupa nem riqueza necessárias ao desterrado.

Fiquei entorpecido tanto quanto quem é atingido pelos fogos de Júpiter

E continua vivo, não estando consciente de sua própria vida.

Mas, quando a própria dor removeu esta nuvem de desgraça de meu espírito,

E, finalmente, meus sentidos restabeleceram-se,

Prestes a ir, dirijo-me pela última vez a meus tristes amigos,

Que, de muitos, eram apenas um e outro.

A esposa amorosa abraçava-me choroso, ela própria chorando mais fortemente,

Caíam-lhe, ininterruptamente, rios de lágrimas pelas faces que não mereciam.

A minha filha estava longe, na costa Líbica,

E não pudera ser informada de meu destino.

Para qualquer lugar que olhasses, as lamentações e os gemidos ressoavam,

A imagem era a de um funeral não tácito.

Mulher, homem, também crianças se entristecem com o meu funeral,

E há lágrimas por todos os cantos da casa.

Se é licito servir-se de grandes exemplos no pequeno,

Este era o aspecto de Tróia quando capturada.

OVIDE. Tristes. Texte établi et traduit par Jacques Andre. Paris: Société D'Édition Les Belles Lettres, 1987.

Parte da tradução da elegia I,3, publicada in: Revista de Tradução Modelo 19, n. 10, UNESP - Araraquara, pp.5-10. ISSN: 1676-031X.

Bibliografia

Traduções Publicadas

Eurípides. "Medéia (764-810)". [Por Patrícia Prata] In: Revista de Tradução Modelo 19, n.14. Araraquara: UNESP, 2003.

Marcial. "Epigrammata (I, 53 e 54)". [Por Patrícia Prata] In: Revista de Tradução Modelo 19, n.. 13. Araraquara: UNESP, 2002.

Ovídio. "Tristes (I,3)". [Por Patrícia Prata] In: Revista de Tradução Modelo 19, n. 10. Araraquara: UNESP, 2000.

Ovídio. "Tristes (I,4)". [Por Patrícia Prata] In: Revista de Tradução Modelo 19, n. 15. Araraquara: UNESP, 2005.

Virgílio. "Eneida II (201-227)". [Por Patrícia Prata] In: Revista de Tradução Modelo 19, n. 12. Araraquara: UNESP, 2001.

Virgílio. "Eneida II (268-297)". [Por Patrícia Prata] In: Revista de Tradução Modelo 19, n. 11. Araraquara: UNESP, 2000. (Tradução/Artigo).

Obra própria

Artigos publicados em periódicos

Prata, Patrícia. "O caráter alusivo dos Tristes de Ovídio: uma leitura intertextual do livro I", in: Revista Sínteses, vol. 8, IEL/UNICAMP - Campinas, 2003. p. 345-362.

Prata, Patrícia. "O caráter alusivo dos 'Tristes' de Ovídio: uma leitura intertextual do livro I." Dissertação de mestrado defendida no IEL/Unicamp em abril de 2002.

Prata, Patrícia. "Vestígios da Eneida de Virgílio nos Tristia de Ovídio: comparação dos livros I, II e III com as elegias II, III e IV". In: Los estudios clásicos ante el cambio de milenio: vida, muerte, cultura. Tomo II, Facultad de Filosofía y Letras/Universidad de Buenos Aires - Buenos Aires, Argentina, 2002. p.298-309.

Prata, Patrícia. "Tristes I e Eneida: uma relação alusiva" (artigo da comunicação apresentada no congresso da SBEC de 2001). Disponível em:www.geocities.com/textossbec/prata.doc Acesso em 25/09/2006.

Trabalhos em eventos

Prata, Patrícia. "Vestígios da 'Eneida' de Virgílio nos 'Tristia' de Ovídio: comparação dos livros I, II e III com as elegias II, III e IV." In: XVI Simposio Nacional de Estudios Clásicos, 2002, Buenos Aires. Los estudios clásicos ante el cambio de milenio: Vida, Muerte, Cultura. Buenos Aires : Facultad de Filosofía y Letras - UBA, 2000. v. 2. p. 298-309.

Prata, Patrícia. "Tristes I e Eneida: uma relação alusiva." In: IV Congresso Nacional de Estudos Clássicos / XII Reunião da SBEC, 2001, Ouro Preto. Disponível em: www.sbec.cjb.net - link - trabalhos apresentados, 2001.

Prata, Patrícia. "Mário de Andrade: um leitor de Castro Alves." In: V Semana de Letras, 1996, Mariana. Caderno de Resumos da V Semana de Letras, 1996.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.