Marlova Gonsales Aseff :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Marlova Gonsales Aseff

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Marlova Aseff nasceu em Santana do Livramento (RS), cidade na linha de fronteira com o Uruguai, em 09 de setembro de 1971. Entre os anos de 2000 e 2010 viveu em Florianópolis, com um intervalo em Barcelona, Espanha, entre 2005 e 2006. Atualmente reside em Porto Alegre (RS).

É formada em Comunicação Social (com habilitação em jornalismo) pela Famecos PUCRS, 1993. Tem especialização em Integração e Mercosul (História do Prata, Direito Internacional; Política) pela UFRGS, 1996. Possui doutorado em Teoria da Literatura, 2007, pela Pós-graduação em Literatura (PGL/UFSC) e Doutorado em Estudos da Tradução, 2012, pela Pós-Graduação em Estudos da Tradução, (PGET/UFSC), e Pós-Doutorado junto ao Póslit UnB, 2015-2016. 

Iniciou a carreira como jornalista na Agência RBS de Notícias como redatora em 1994. Depois passou para o jornal Zero Hora, onde desempenhou diversas funções, desde repórter de Economia a editora-assistente da editoria Geral. Trabalhou também no jornal A Notícia (SC) e no portal de Internet Matrix (SC) como coordenadora de conteúdo. Foi assessora da ONG Núcleo de Estudos Negros. Desde 2008, é tradutora freelance. Foi tutora no curso de especialização em Tradução Literária no Ensino a Distância da Universidade Aberta do Brasil – UFSC.

Traduz do espanhol e do francês, além de ter fluência em inglês. O seu principal idioma é o espanhol, mas já traduziu artigos científicos, livro e poemas do francês. Segundo a  tradutora, "ter nascido numa cidade de fronteira tem muita influência no meu fazer tradutório. Além disso, desde criança viajei muito com meus pais para o Uruguai e a Argentina".  (informação dada por meio de mensagem eletrônica)

Começou a estudar o espanhol com profundidade quando trabalhou no jornal Zero Hora, em Porto Alegre, e foi incumbida de manter contatos diários com oito jornais latino-americanos que faziam parte de uma associação chamada de Grupo de Diários América. Na mesma época, a convite do cronista Ruy Carlos Ostermann, fez suas primeiras traduções do espanhol para uma série sobre esporte e literatura que era publicada aos sábados no jornal Zero Hora.

Marlova Aseff tem experiência com textos de não-ficção, mas pouco a pouco se dedica mais à tradução literária. Traduziu, em parceria com Fedra Hinojosa, contos do escritor iraquiano radicado na Espanha Muhsin Al-Ramli, e acaba de traduzir um romance policial do espanhol Manuel Vázquez Montalbán.

Em 2007 foi contemplada no edital Rumos Itaú Cultural Literatura 2007-2008, pelo Instituto Itaú Cultural.

Como resultado de seu projeto de pós-doutorado, desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Literatura (Póslit) da Universidade de Brasília (UnB), Marlova inaugura em 2016 o site: Poesia Traduzida no Brasil (http://www.poesiatraduzida.com.br/apresentacao/) que tem como objetivo principal disponibilizar para a comunidade científica e para a sociedade em geral um catálogo online da poesia traduzida publicada no Brasil.

Verbete publicado em 21 de August de 2016 por:
Letícia Maria Viera de Souza Goellner
Andréa Cesco

Excertos de traduções

Excerto de Lugares mágicos. Os escritores e suas cidades, de Fernando Savater. Tradução de Marlova Aseff.

El epitafio de William Butler Yeats, en su sencilla tumba en el  cementerio de Drumcliffe frente a la pelada cima de Ben Bulben, dice así:

O epitáfio de William Butler Yeats, no seu túmulo simples no cemitério de Drumcliffe, em frente à colina nua de Bem Bulben, diz assim:

Contempla con frialdad
la vida y también la muerte.
¡Jinete, sigue sin detenerte!

Contempla com frieza
a vida e também a morte.
Ginete, segue sem se deter!

Es improbable que un poeta pueda mirar la vida y la muerte con el altivo desapego de un guerrero que cabalga intrépido. Y resulta aún más difícil si ese bardo es irlandés, un alma celta amueblada con todas las brumosas leyendas y folklóricas hechicerías de una tierra sentimental, apasionada y propicia a los mitos. Sin embargo, Yeats se las arregló bastante bien para combinar altanería y pasión popular, severidad de guerrero y temblor de amante, compromiso con la historia inmediata y culto a lo esotérico. Tuvo un fondo de pesimismo casi desesperado contra el mundo material y la vida tal como la rutina nos obliga a vivirla, aunque supo ser de cuando en cuando arrebatadamente entusiasta en lo tocante al amor, al arte y a Irlanda. Personalmente fue un excéntrico, y desde luego cultivó desdenes aristocráticos, pero a pesar de ello —o quizá por ello, unido a su inolvidable elocuencia poética— acabó convertido en un ídolo popular y un modelo para los ilustrados. Encarnó el símbolo de la poesía en un país en el que nadie es ajeno a ella, ni siquiera los analfabetos.

É improvável que um poeta possa olhar a vida e a morte com o altivo desapego de um guerreiro que cavalga intrépido. E é ainda mais difícil se esse bardo é irlandês, uma alma celta mobiliada com todas as sombrias lendas e feitiçarias folclóricas de uma terra sentimental, apaixonada e propensa a mitos. No entanto, Yeats ajeitou-as bastante bem para combinar altivez e paixão popular, severidade de guerreiro e tremor de amante, compromisso com a história imediata e o culto ao esotérico. Teve um fundo de pessimismo quase desesperado contra o mundo material e a vida tal como a rotina nos obriga a vivê-la. Mesmo assim soube ser, de quando em quando, arrebatadamente entusiasta no tocante ao amor,  à arte e à Irlanda. Pessoalmente, foi um excêntrico e, sem dúvida, cultivou desprezos aristocráticos, mas apesar disso — ou talvez por isso, unido à inesquecível eloquência poética — acabou transformado num ídolo popular e num modelo para os ilustrados. Encarnou o símbolo da poesia em um país em que ninguém é alheio a ela, nem sequer os analfabetos.

Lo primero que leí de Yeats fueron los versos finales de “La segunda venida”, que figuraban como epígrafe en uno de los cuentos de ciencia-ficción que yo devoraba por entonces con pasión adolescente:

A primeira coisa que li de Yeats foram os versos finais do poema “A segunda vinda”, que eram a epígrafe em um dos contos de ficção-científica que eu devorava naquela época com paixão adolescente:

Regresa la tiniebla:
pero ahora ya sé que veinte siglos de un sueño pétreo
se vuelven pesadilla, exasperados por el mecerse de una cuna…
¿Qué bestia inmunda, llegada al fin su hora, se arrastra hacia Belén para nacer?

Cai a treva outra vez
mas agora eu sei que vinte séculos de sonho pétreo
tornam-se pesadelo, exasperados pelo embalo de um berço...
Que besta imunda, enfim chegada a sua hora, rasteja até Belém para nascer?

 

 

SAVATER, Fernando. Lugares com genio – Los escritores y sus ciudades. Buenos Aires: Sudamericana, 2013. P. 313-314

SAVATER, Fernando. Lugares mágicos. Os escritores e suas cidades. [Por Marlova Aseff]. Porto Alegre: L&PM, 2015. P. 281-282

Bibliografia

Traduções Publicadas

BASTOS, A. R. O craque. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: Zero Hora Editora Jornalística, 1997. (El crack). Conto publicado na série Esporte e Literatura

BERMAN, Antoine. “A tradução e seus discursos”. [Por: Marlova Gonsales Aseff] Revista Alea – Estudos Neolatinos, Volume 11, fascículo 2. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. (La traduction et ses discours). Artigo

BERMAN, Antoine. “Da tradução à translação”. [Por: Marlova Gonsales Aseff & Marie-Hélène Torres]. Revista Scientia Traductionis. Florianópolis: PGET, 2011. (De la translation à la traduction). Artigo

CAJINA, Gregory. Saia da sua zona de conforto. 52 Propostas Para Você Tomar As Rédeas Da Sua Vida. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livros e Papéis SA, 2015. (Rompe con tu zona de confort: 52 propuestas para tomar las riendas de tu vida).  Não-ficção

CORTAZAR, Julio. Boxe para um bom entendedor. [Por: Marlova Gonsales Aseff] Porto Alegre: Zero Hora Editora Jornalística SA, 1997. Série Esporte e Literatura. (Descripción de un combate ou a buen entendedor). Conto

FAUR, Patrícia. Amores que matam. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livros e Papéis SA, 2012. (Amores que matan). Não-ficção

GALEANO, Eduardo. A Copa do Mundo de 2010. In: Futebol ao sol e à sombra. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livros e Papéis SA, 2010. (El mundial 2010). Capítulo de livro

GALEANO, Eduardo. A Copa do Mundo de 2006. In: Futebol ao sol e à sombra [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livros e Papéis SA, 2008. (El mundial 2006). Capítulo de livro

LA MODERNA. Os cretinos não mandam flores. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livos e Papéis SA, 2015. (Los capullos no regalan flores). Romance gráfico

LUGONES, Leopoldo. O império jesuítico/El imperio jesuítico. [Por: Marlova Gonsales Aseff].  (n.t.) Revista Literária em Tradução. Volume 1, edição 10. (El imperio jesuítico). Trechos de dois capítulos do ensaio.

MONTALBÁN, Manuel Vázquez. Assassinato no comitê central. [Por: Marlova Aseff]. Porto Alegre: L&PM, 2017. (Asesinato en el comité central). Ficção. ePub. Coleção L&PM E-books.

PARKER, Penelope. Os homens (às vezes infelizmente) sempre voltam. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livros e Papéis SA, 2008. (Los hombres (a veces, por desgracia) siempre vuelven). Não-ficção

RISO, Walter. O direito de dizer não. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. L&PM- Publibook Livros e Papéis SA, 2015. (El derecho a decir no: cómo ganar autoestima sin perder asetividad).  Não-ficção

RISO, Walter. Ame e não sofra. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livos e Papéis SA, 2010. (Ama y no sufras). Não-ficção

RISO, Walter. Amores de alto risco. [Por: Marlova Gonsales Aseff].  Porto Alegre: L&PM- Publibook Livos e Papéis SA, 2010. (Amores altamente peligrosos). Não-ficção

RISO, Walter. Amar ou depender? [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: L&PM- Publibook Livos e Papéis SA, 2008. (¿Amar o depender?). Não-ficção

SAVATER, Fernando. Lugares mágicos. Os escritores e suas cidades. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. L&PM- Publibook Livos e Papéis SA, 2015. (Lugares con genio – Los escritores y sus ciudades).  Não-ficção

SORIANO, Oswaldo. O pênalti mais longo do mundo. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: Zero Hora Editora Jornalística, 1997. Série Esporte e Literatura. (El penal más largo del mundo). Conto

SUPERVIELLE, Jules. Memória infiel. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. São Paulo: Editora do CEBRAP, 2006. (Oublieuse mémoire).  Poesia

TORRES, Marie-Hélène. Traduzir o Brasil literário: paratexto e discurso de acompanhamento. [Por: Marlova Gonsales Aseff & Eleonora Castelli] Tubarão: Copiart, 2011.

VALDANO, Jorge. Creio, velha, que teu filho fez cagada. [Por: Marlova Gonsales Aseff]. Porto Alegre: Zero Hora Editora Jornalística SA, 1997. (Creo, vieja, que tu hijo la cagó). Conto publicado na série Esporte e Literatura

 

Obra própria

Capítulos de livros e artigos publicados em periódicos

ASEFF, Marlova. Maduración de la crítica y el proceso de traducción In: Translation and Interculturality. Frankfurt: Peter Lang, 2008. Capítulo de Livro

ASEFF, Marlova. Cruzamentos e subversões nos projetos de três escritores-tradutores In: Protocolos críticos. São Paulo: Iluminuras, 2008. Capítulo de livro

ASEFF, Marlova. O papel dos poetas-tradutores na formação do cânone da poesia traduzida no Brasil (1960-2009). In Cadernos de Letras. Pelotas: UFPel, 2015. Artigo

ASEFF, Marlova. Borges e os labirintos da memória. Revista Vox. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro, 2013. Artigo Magazine

ASEFF, Marlova. A tradução do ritmo e do som em El Imperio Jesuítico, de Leopoldo Lugones. In Cadernos de Tradução. Florianópolis: UFSC, 2010. Artigo

ASEFF, Marlova. Sobre a tradução de Oublieuse mémoire, de Jules Supervielle. In: Cadernos de Literatura em Tradução. São Paulo: USP, 2010. Artigo

ASEFF, Marlova. Modernismo e herança barroca em El imperio jesuítico, de Leopoldo Lugones. In: Revista de Letras do Instituto de Humanidades da Unigranrio, v.07, pp. 99-116, 2008. Artigo

ASEFF, Marlova. Borges e o Sur mítico. In: Revista Fragmentos, v. 28, pp.167-177. Florianópolis, 2006. Artigo

ASEFF, Marlova. O estrangeiro e a ética da tradução. In: Anais do 11º Seminário da Apec, v.01, pp.321-328. Barcelona, 2006. Artigo

ASEFF, Marlova. Drummond, tradutor de Les liaisons dangereuses. Tradterm (USP), v.11, pp.189-199. São Paulo, 2005. Artigo

ASEFF, Marlova. Caldwell, Nietzsche e Espinosa na guinada interpretativa de Dom Casmurro In: Anais do IX Congresso Internacional da Abralic. Porto Alegre, 2004.  Artigo

ASEFF, Marlova. Experiência e modernidade em Felisberto Hernández. In: Anais do 3º Congresso Brasileiro de Hispanistas. Florianópolis, 2004. Artigo

ASEFF, Marlova. Resenha de tradução de O Aleph, de Jorge Luis Borges. Cadernos de Tradução (UFSC), v. 2, pp.133-137. Florianópolis, 2008.

ASEFF, Marlova. Resenha de tradução de Sobre la traducción, de Paul Ricoeur. Tradução e prólogo de Patricia Wilson. In: Cadernos de Tradução (UFSC), v. 1, nº 21, pp. 169-171. Florianópolis, 2008.

ASEFF, Marlova. Resenha de tradução de A busca da língua perfeita, de Eco, Umberto. In: Cadernos de Tradução (UFSC), v. 2, nº 12, pp.155-158. Florianópolis, 2003.

ASEFF, Marlova. Entrevista com Aldyr Garcia Schlee. In: Cadernos de Tradução (UFSC), v. 2, nº 24, pp.281-293. Florianópolis, 2009.

Demais trabalhos editoriais

ASEFF, Marlova. O Nome do Jogo. Porto Alegre: Sagra Luzzato e Palmarinca, 1998, 265p. (Seleção, apresentação e organização de crônicas de Ruy Carlos Ostermann, tendo como horizonte a potencialidade de unir esporte e literatura. O livro foi indicado ao Prêmio Açorianos de Literatura

ASEFF, Marlova. Memória de tradutora. Florianópolis: Escritório do Livro, 2004. 122p. (Entrevista com Rosa Freire D’Aguiar e edição do texto final. O livro resgata a rica experiência de Rosa como tradutora).

ASEFF, Marlova. Editores artesanais brasileiros. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013. 159p. (Preparação de originais do livro de autoria de Gisela Creni).

ASEFF, Marlova. O papel e o pixel, do impresso ao digital.  Florianópolis: Escritório do Livro, 2006. (Preparação de originais do livro de José Afonso Furtado e adaptação entre o português de Portugal e o brasileiro)

ASEFF, Marlova. Contos de oficina.  Porto Alegre: Editora da PUCRS, 1996.

Antologia resultante da Oficina de Criação Literária ministrada pelo escritor Luiz Antônio de Assis Brasil.

ASEFF, Marlova. Survive. Revista Eletrônica de Contos Bestiário, Ano 2, número 12. 2005. (conto). Disponível em: http://www.bestiario.com.br/12_arquivos/Survive.html

 

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.