Marina Colasanti :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Marina Colasanti

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Marina Colasanti nasceu na cidade de Asmara, capital da Eritreia, Etiópia, em 1937, onde viveu por quatro anos. Morou na Itália até completar 10 anos; em 1948, sua família mudou-se para o Rio de Janeiro. Possui nacionalidade brasileira e naturalidade italiana. Entre 1952 e 1956 estudou pintura e a partir de 1958 já participava de exposições de artes plásticas. Nos anos seguintes, atuou como colaboradora de periódicos, apresentadora de televisão e roteirista.

Ingressou no Jornal do Brasil em 1962, como redatora do Caderno B. Desenvolveu as atividades de: cronista, colunista, ilustradora, sub-editora, secretária de texto. Foi também editora do Caderno Infantil do mesmo jornal. Participou do Suplemento do Livro com numerosas resenhas.

No mesmo período editou o Segundo Tempo, do Jornal dos Sports. Assinou seções nas revistas: Senhor, Fatos & Fotos, Ele e Ela, Fairplay, Claudia e Joia. Em 1976 ingressou na Editora Abril, na revista Nova, da qual já era colaboradora, com a função de Editora de Comportamento. De fevereiro a julho de 1986 escreveu crônicas para a revista Manchete. Deixou a Editora Abril em 1992, como Editora Especial, após uma breve permanência na revista Claudia, tendo ganho três Prêmios Abril de Jornalismo. De maio de 1991 a abril de 1993 assinou crônicas semanais no Jornal do Brasil. De 1975 até 1982 foi redatora na agência publicitária Estrutural, tendo ganho mais de 20 prêmios nesta área. Além dessas atividades também trabalhou como tradutora (do inglês, francês e italiano) e escritora. Em 1968, lançou seu primeiro livro, Eu sozinha, e desde então publicou mais de 30 obras, entre livros de contos, crônicas (nas quais a autora reflete a partir de fatos cotidianos sobre a situação feminina, o amor, a arte e os problemas sociais brasileiros), poemas, ensaios e literatura infantil e adulta. Em 1994 ganhou o Prêmio Jabuti, por Rota de Colisão e Eu sei mas não devia, e o prêmio Jabuti Infantil ou Juvenil, por Ana Z Aonde Vai Você? Colaborou também em revistas femininas e constantemente dá cursos e palestras em todo o Brasil.

Verbete publicado em 20 de July de 2005 por:
Fernanda Biagini Verçosa
Andréia Guerini

Bibliografia

Traduções Publicadas

Collodi, Carlo. Aventuras de Pinóquio: Histórias de uma marionete. [Por: Marina Colasanti]. São Paulo: Cia das Letras, 2002. (Pinocchio).

Crichton, Robert. O segredo de Santa Vitória. [Por: Marina Colasanti]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (The secret of Sanat Vittoria).

Eugenides, Jeffrey. Virgens Suicidas. [Por: Marina Colasanti]. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. (The Virgin Suicides).

Julien, Claude. O suicidio das democracias. [Por: Marina Colasanti]. Lisboa: Arcádia, 1975. (Le suicide des démocraties).

Kosinski, Jerzy. O Pássaro Pintado. [Por: Marina Colasanti]. São Paulo: Círculo do Livro, 1975. (The painted bird).

Lachenmeyer, Nathaniel. Bicos quebrados. [Por: Marina Colasanti]. São Paulo: Global, 2003. (Broken Beaks).

Lampedusa, Tomasi. O gattopardo. [Por: Marina Colasanti]. Rio de Janeiro: Record, 2000. (Il gattopardo).

Moravia, Alberto. A romana. [Por: Marina Colasanti]. São Paulo: Nova Cultural, 1987. (La romana).

Papini, Giovanni. Gog. [Por: Marina Colasanti]. Rio de Janeiro: Record, 1996. (Gog).

Tomizza, Fulvio. Franziska. [Por: Marina Colasanti]. Rio de Janeiro: Rocco, 1999. (Franziska).

Visconti, Guido. Aquele gênio do Leonardo. [Por: Marina Colasanti]. São Paulo: Ática, 2003. (Quel genio di Leonardo).

Obra própria

Colasanti, Marina. Eu sozinha. Rio de Janeiro: Record, 1968.

Colasanti, Marina. Nada na Manga. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1973.

Colasanti, Marina. Zooilógico. Rio de Janeiro: Nórdica, 1975.

Colasanti, Marina. A morada do ser. Rio de Janeiro: Record, 1978.

Colasanti, Marina. Uma idéia toda azul. Rio de Janeiro: Nórdica, 1979.

Colasanti, Marina. A nova mulher. Rio de Janeiro: Nórdica, 1980.

Colasanti, Marina. Mulher daqui pra frente. Rio de Janeiro: Nórdica, 1981.

Colasanti, Marina. Doze reis e a moça no labirinto do vento. Rio de Janeiro: Nórdica, 1982.

Colasanti, Marina. A menina arco-íris. Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

Colasanti, Marina. E por falar em amor. Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

Colasanti, Marina. O lobo e o carneiro no sonha da menina. São Paulo: Ediouro, 1985.

Colasanti, Marina. Uma Estrada junto ao Rio. São Paulo: Ftd, 1985.

Colasanti, Marina. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

Colasanti, Marina. O verde brilha no poço. São Paulo: Global, 1986.

Colasanti, Marina. O menino que achou uma estrela. São Paulo: Global, 1988.

Colasanti, Marina. Um amigo para sempre. São Paulo: Quinteto, 1988.

Colasanti, Marina. Ofélia, a ovelha. São Paulo: Global, 1989.

Colasanti, Marina. Será que tem asas? São Paulo: Quinteto, 1989.

Colasanti, Marina. A mão na massa. Rio de Janeiro. Salamandra, 1990.

Colasanti, Marina. Intimidade pública. Rio de Janeiro: Rocco, 1990.

Colasanti, Marina. Agosto 91 estávamos em Moscou. São Paulo: Melhoramentos, 1991.

Colasanti, Marina. Cada bicho seu capricho. São Paulo: Global, 1992.

Colasanti, Marina. Entre a espada e a rosa. Rio de Janeiro. Salamandra, 1992.

Colasanti, Marina. Eu sei, mas não devia. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Colasanti, Marina. Ana Z aonde vai você? São Paulo: Ática, 1993.

Colasanti, Marina. Rota de colisão. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

Colasanti, Marina. De mulheres sobre tudo. São Paulo: Ediouro, 1995.

Colasanti, Marina. O homem que não parava de crescer. São Paulo: Global, 1995.

Colasanti, Marina. Um amor sem palavras. São Paulo: Global, 1995.

Colasanti, Marina. Aqui entre nós. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

Colasanti, Marina. Gargantas abertas. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

Colasanti, Marina. O leopardo é um animal delicado. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

Colasanti, Marina. Longe como o meu querer. São Paulo: Ática, 1999.

Colasanti, Marina. Um espinho de marfim e outras histórias. Porto Alegre: L&PM, 1999.

Colasanti, Marina. Esse amor de todos nós. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

Colasanti, Marina. A amizade abana o rabo. São Paulo: Moderna, 2001.

Colasanti, Marina. Penélope manda lembranças. São Paulo: Ática 2001.

Colasanti, Marina. Para gostar de ler. São Paulo: Ática, 2002.

Colasanti, Marina. A moca tecelã. São Paulo: Global, 2004.

Colasanti, Marina. Fragatas para terras distantes. Rio de Janeiro: Record, 2004.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.