Marcelo Backes :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Marcelo Backes

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Segundo Fausto Wolff, Marcelo é um crítico "que didaticamente ajuda o leitor a separar o verdadeiro escritor (que tem um compromisso com a verdade, a indagação e a busca do porquê o homem é o que é) do falso profeta" (O Pasquim, 14.02.2004). Já para Peter Naumann, "Backes traduz porque lê e gosta de literatura. É um diletante, no sentido que esse termo tinha antes de adquirir a sua acepção pejorativa, hoje dominante" (Trecho de palestra em mesa-redonda da 50ª Feira do Livro de Porto Alegre, 01.11.2004).

Backes nasceu em Campina das Missões, RS, em 1973. Na sua cidade natal cursou o ensino fundamental; já o ensino médio foi cursado em Cerro Largo, RS. Entrou no curso de Jornalismo, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 1991, onde concluiu também o seu mestrado, em 1998. Seu título de doutor foi alcançado na Alemanha pela Universidade Albert-Ludwigs, nas áreas da Romanística e da Germanística.

Foi professor de um curso de tradução ("Problemas da tradução") nos semestres de verão de 2003, 2004 e 2005 para um dos programas do DAAD, direcionado a graduados latino-americanos na área de Germanística na Universidade Albert-Ludwigs, em Freiburg. Ainda nesta universidade, no inverno de 2004 e 2005, foi o docente responsável por dois seminários de tradução e um seminário sobre a literatura brasileira. Além disso, foi o único tradutor brasileiro convidado a participar da Academia de Verão para Tradutores do Alemão que ocorreu em Berlim em 2004.

Além de colaborar em diversos jornais e revistas brasileiras, o tradutor é membro do Conselho Editorial da revista Margem esquerda e supervisor editorial das obras de Karl Marx e Friedrich Engels pela Boitempo Editorial.

Marcelo organizou um livro sobre o escritor, dramaturgo e poeta alemão Bertolt Brecht, para a série "Porto & Vírgula" da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, livro que reuniu textos de Roberto Schwarz, José Antônio Pasta Jr., Willi Bolle e Gerd Bornheim, além de outros.

Como tradutor verteu obras de Goethe, Schiller, Heine, Marx, Nietzsche, Kafka, Arthur Schnitzler e Bertolt Brecht para o português do Brasil. Segundo ele, "o trabalho de tradução talvez seja o mais compensador no sentido de se estudar uma língua, quer dizer, duas línguas... todas as línguas... Há poucas atividades em que se trabalha tão intimamente com a língua quanto na tradução" (em entrevista a Simone de Mello / DW-World).

Em seu ofício de transposição da literatura alemã para o português brasileiro, Marcelo Backes não se contenta apenas com uma mera tradução literária, mas quase sempre apresenta e organiza suas traduções com prefácios e um grande número de notas de rodapé.

Para Marcelo Backes, a maior deficiência das traduções literárias no Brasil - e não apenas das traduções do alemão - é a falta de problematização teórica da questão da tradução. "É ela a origem dos maiores problemas que consigo identificar. Muitos tradutores parecem traduzir sem jamais terem pensado criticamente acerca da tradução" (em entrevista a DW-World).

Um exemplo de problema de tradução, conforme Backes, está na tradução de um clássico, pois a diferença temporal existente entre a época em que uma obra foi escrita na língua de partida e a época que a recebe na língua de chegada torna-a um desafio (em entrevista DW-World).

Verbete publicado em 20 de July de 2005 por:
Manuela Acássia Accácio
Werner Heiderman

Excertos de traduções

Fragmento de Emília Galotti, de Gotthold Ephraim Lessing. Tradução de Marcelo Backes.

Emilia. Um des Himmels willen nicht, mein Vater! Dieses Leben ist alles, was die Lasterhaften haben. Mir, mein Vater, mir geben Sie diesen Dolch. Emília ?­ Pelo amor dos céus não, meu pai! Esta vida é tudo que esses perversos têm. A mim, meu pai, a mim é que deveis dar esse punhal.

Odoardo. Kind, es ist keine Haarnadel.

Odoardo Filha, isso não é um grampo de cabelo.

Emilia. So werde die Haarnadel zum Dolche! Gleichviel.

Emília Se é assim, o grampo de cabelo será punhal! Tanto faz.

Odoardo. Was? Dahin wäre es gekommen? Nicht doch; nicht doch! Besinne dich. Auch du hast nur ein Leben zu verlieren.

Odoardo O quê? A coisa chegaria a esse ponto? Não, de jeito nenhum, não! Te acalmes! Te acalmes! Tu também só tens uma vida a perder.

Emilia. Und nur eine Unschuld!

Emília E só uma inocência!

Odoardo. Die über alle Gewalt erhaben ist.

Odoardo Que é superior a todo o poder.

Emilia. Aber nicht über alle Verführung. Gewalt! Gewalt! wer kann der Gewalt nicht rotzen? Was Gewalt heißtm ist nichts: Verführung ist die wahre Gewalt. Ich habe Blut, mein Vater, so jugendliches, sowarmes Blut als eine. Auch meine Sinne sind Sinne. Ich stehe für nichts. Ich bin für nichts gut. Ich kenne das Haus der Grimaldi. Es ist das Haus der Freude. Eine Stunde da, unter den Augen meiner Mutter und es erhob sich so mancher Tumult in meiner Seele, den die strengsten Übungen der Religion kaum in Wochen besänftigen konnten! Der Religion! Und welcher Religion? Nichts Schlimmers zu vermeiden, sprangen Tausende in die Fluten und sind Heilige! Geben Sie mir, mein Vater, geben Sie mir diesen Dolch.

Emília Mas não a toda sedução. Poder! Poder! Quem não pode desafiar o poder? O que tem o nome de poder não é nada: a sedução é o verdadeiro poder. Eu tenho sangue, meu pai; sangue tão jovem, tão quente, como o de qualquer uma. Também sou de carne e osso. Eu não respondo por nada. Não se pode esperar isso de mim. Conheço a casa dos Grimaldi. É a casa da alegria. Uma hora ali, sob os olhos de minha mãe, e se levantam de minha alma tantas turvações que os mais severos exercícios da religião mal poderiam apaziguar em semanas! A religião! E que religião! ... Para evitar algo que não era pior, milhares correram ao mar, e são santos! Daí-me, meu pai, daí-me este punhal.

Odoardo. Und wenn du ihn kenntest, diesen Dolch!

Odoardo E se tu o conhecesses, este punhal!

Emilia. Wenn ich ihn auch nicht kenne! Ein unbekannter Freund ist auch ein Freund. Geben Sie mir ihn, mein Vater, geben Sie mir ihn.

Emília E mesmo que eu não o conheça! Um amigo desconhecido é também um amigo. Daí-mo, meu pai, daí-mo.

Odoardo. Wenn ich dir ihn nun gebe da! (Gibt ihr ihn.)

Odoardo E se eu te o der ... aqui! (Dá-o a ela.)

Emilia. Und da! (Im Begriffe, sich damit zu durchstoßen, reißt der Vater ihr ihn wieder aus der Hand.)

Emília E aqui! (Na intenção de atravessar o peito com ele, o pai volta a arrancá-lo de sua mão.)

Odoardo. Sieh, wie rasch! Nein, das ist nicht für deine Hand.

Odoardo Olha, que rapidez! Não, isto não serve para tuas mãos.

Emilia. Es ist wahr, mit einer Haarnadel soll ich (Sie fährt mit der Hand nach dem Haare, eine zu suchen, und bekommt die Rose zu fassen.) Du noch hier? Herunter mit dir! Du gehörest nicht in das Haar einer wie mein Vater will, daß ich werden soll!

Emília É verdade, é com um grampo de cabelo que devo ... (dirige a mão aos cabelos, procurando um, mas acaba por segurar a rosa.) Tu, ainda aqui? Abaixo contigo! Tu não pertences aos cabelos de uma desses ... que meu pai quer que eu seja!

Odoardo. Oh, meine Tochter!

Odoardo Oh, minha filha!

Emilia. Oh, mein Vager, wenn ich Sie erriete! Doch nein, das wollen Sie auch nicht. Warum zauderten Sie sonst? (In einem bittern Tone, während daß sie die Rose zerpflückt.) Ehedem wohl gab es einen Vater, der seine Tochter von der Schande zu retten, ihr den ersten, den besten Stahl in das Herz senkte ihr zum zweiten Male das Leben gab. Aber alle solche Taten sind von ehedem! Solcher Väter gibt es keinen mehr!

Emília Oh, meu pai, se eu adivinhasse vossa intenção ... Mas não, isso também não quereis. Por que vacilais então? (Num tom amargo, enquanto arranca as pétalas da rosa.) Outrora fez muito bem um pai que, para salvar sua filha da desonra, lhe afundou o primeiro, o melhor aço no coração ... danfo-lhe a vida pela segunda vez. Mas todas essas atitudes são de outrora! Já não há mais pais assim!

Odoardo. Doch, meine Tochter, doch! (Indem er sie durchsticht.) Gott, was hab ich getan! (Sie will sinken, und er faßt sie in seine Arme.)

Odoardo Como não, minha filha, como não! (Cravando-lhe o punhal.) Deus, o que foi que eu fiz! (Quando ela está para cair, ele a ampara nos braços.)

Emilia. Eine Rose gebrochen, ehe der Sturm sie entblättert. Lassen Sie mich sie küssen, diese väterliche Hand.

Emília Uma rosa colhida, antes que a tempestade a desfolhasse. Deixai que eu a beije, essa mão paternal.

Lessing, Gotthold Ephraim. Emilia Galotti Ein Trauerspiel in fünf Akten (1772). Stuttgart: Reclams Universalbibliothek, 1979, S. 77-78. Fünfter Aufzug, Siebter Auftritt.

Lessing, Gotthold Ephraim. Emília Galotti. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999, pp. 116-118. Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes. Ato quinto, Cena sétima.

Bibliografia

Traduções Publicadas

Brecht, Bertolt. Histórias do senhor Keuner. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Secretaria de Cultura da Cidade de Porto Alegre, 1998. 118 p. (Geschichten von Herrn Keuner). Organização, tradução e prefácio de Marcelo Backes.

Goethe, Johann W. von. Os sofrimentos do jovem Werther. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 206 p. (Die Leiden des jungen Werthers). Edição crítica, tradução, prefácio, organização e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Heine, Heinrich. Noites florentinas. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. 122 p. (Florentinische Nächte). Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Heine, Heinrich. Das memórias do Senhor de Schnabelewopski. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Boitempo, 2001. 103 p. (Die Memoiren des Herrn von Schnabelewopski). Tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Heine, Heinrich. Confissões e memórias. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2004. (Geständnisse und Memoiren). Edição comentada, tradução, prefácio e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Kafka, Franz. A metamorfose e O veredicto. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 146 p. (Die Verwandlung und Das Urteil). Trabalho crítico, tradução, prefácio, organização e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Kafka, Franz. Carta ao pai. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2004. 108 p. (Brief an den Vater). Edição crítica, tradução, prefácio, glossário, bibliografia, organização e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Karl, Marx e Engels, Friedrich. A sagrada família; A crítica da crítica. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Boitempo, 2003. 278 p. (Die heilige Familie, Kritik der kritischen Kritik). Edição comentada, tradução, organização e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Lessing, Gotthold E. Emilia Galotti; Minna von Barnhelm. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Emilia Galotti, Minna von Barnhelm). Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Nietzsche, Friedrich. Ecce homo: de como alguém se torna o que a gente é. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2003. 206 p. (Ecce homo: Wie man wird, was man ist). Edição crítica, tradução, prefácio, organização e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Ransmayr, Christoph. Os pavores do gelo e da escuridão. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Estação Liberdade, 2005. (Die Schrecken des Eises und der Finsternis).Tradução, prefácio e glossário de Marcelo Backes.

Schiller, Friedrich von. Os bandoleiros. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 244 p. (Die Räuber). Edição comentada, tradução, prefácio, organização e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Schnitzler, Arthur. Aurora. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Boitempo, 2001. 151 p. (Spiel im Morgengrauen). Tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Schnitzler, Arthur. A senhora Beate e seu filho. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 151 p. (Frau Beate und ihr Sohn). Tradução, organização, prefácio, comentários e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Schnitzler, Arthur. Doutor Grässler, médico das termas. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2002. (Doktor Grässler, Badearzt). Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

 

Goethe, Johann W. von. Os sofrimentos do jovem Werther. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 206 p. (Die Leiden des jungen Werthers). Edição crítica, tradução, prefácio, organização e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Heine, Heinrich. Noites florentinas. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. 122 p. (Florentinische Nächte). Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Heine, Heinrich. Das memórias do Senhor de Schnabelewopski. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Boitempo, 2001. 103 p. (Die Memoiren des Herrn von Schnabelewopski). Tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Heine, Heinrich. Confissões e memórias. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2004. (Geständnisse und Memoiren). Edição comentada, tradução, prefácio e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Kafka, Franz. A metamorfose e O veredicto. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 146 p. (Die Verwandlung und Das Urteil). Trabalho crítico, tradução, prefácio, organização e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Kafka, Franz. Carta ao pai. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2004. 108 p. (Brief an den Vater). Edição crítica, tradução, prefácio, glossário, bibliografia, organização e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Karl, Marx e Engels, Friedrich. A sagrada família; A crítica da crítica. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Boitempo, 2003. 278 p. (Die heilige Familie, Kritik der kritischen Kritik). Edição comentada, tradução, organização e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Lessing, Gotthold E. Emilia Galotti; Minna von Barnhelm. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Emilia Galotti, Minna von Barnhelm). Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Nietzsche, Friedrich. Ecce homo: de como alguém se torna o que a gente é. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2003. 206 p. (Ecce homo: Wie man wird, was man ist). Edição crítica, tradução, prefácio, organização e notas críticas de rodapé de Marcelo Backes.

Ransmayr, Christoph. Os pavores do gelo e da escuridão. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Estação Liberdade, 2005. (Die Schrecken des Eises und der Finsternis).Tradução, prefácio e glossário de Marcelo Backes.

Schiller, Friedrich von. Os bandoleiros. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 244 p. (Die Räuber). Edição comentada, tradução, prefácio, organização e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Schnitzler, Arthur. Aurora. [Por: Marcelo Backes]. São Paulo: Boitempo, 2001. 151 p. (Spiel im Morgengrauen). Tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Schnitzler, Arthur. A senhora Beate e seu filho. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: L&PM, 2001. 151 p. (Frau Beate und ihr Sohn). Tradução, organização, prefácio, comentários e notas de rodapé de Marcelo Backes.

Schnitzler, Arthur. Doutor Grässler, médico das termas. [Por: Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2002. (Doktor Grässler, Badearzt). Coordenação, tradução, prefácio e notas de rodapé de Marcelo Backes.

 

 

Obra própria

Backes, Marcelo. "Fausto: Narciso cego, cercado de espelhos". In: Revista Sextante, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, n. 18, p. 20-24, maio 1995.

Backes, Marcelo. Texto crítico sobre o livro O Colapso da Modernização - Da derrocada do socialismo de caserna à crise mundial, de Robert Kurz. In: Revista Sextante, Porto Alegre: Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, n. 19, p. 14-17, ago. 1995. Critica.

Backes, Marcelo. "Doze críticas sobre os mais importantes surgimentos da Feira de livro de Porto Alegre". In: Jornal Porto & Vírgula, Secretaria cultural da cidade de Porto Alegre, 1997. Crítica.

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre o trabalho de Heinrich Heine pelos duzentos anos de seu nascimento". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 29 mar.1997. Caderno de Cultura, p. 4. Crítica.

Backes, Marcelo. "O açúcar e o esterco da metrópole". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 07 jun. 1997. Caderno de Cultura, p. 4. Matéria sobre o principal romance de metrópole alemão Berlin Alexanderplatz, de Alfred Döblin. Crítica.

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre a tradução de Curt Meyer-Clason do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 16 ago. 1997. Caderno Cultura, p. 6. Crítica.

Backes, Marcelo. "Entrevista com o tradutor e ensaísta Bóris Schnaiderman". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 13 set. 1997. Caderno Cultura.

Backes, Marcelo. "Elementos para a compreensão de Mefistófeles como duplo de Fausto". In: Cadernos do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, out. 1997 (Publicação 2001). Ensaio que avalia a tradição fáustica no ocidente desde o Volksbuch alemão ao Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa.

Backes, Marcelo. "Elementos para a compreensão de Mefistófeles como duplo de Fausto". In: Caderno anual Colóquio Internacional Discurso, Memória, Identidade. Porto Alegre: Curso de Pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, out. 1997.

Backes, Marcelo (Org.)."Bertolt Brecht". In: Cadernos Porto & Vírgula. Porto Alegre: Secretaria de Cultura de Porto Alegre, 1998.

Backes, Marcelo. "O caminho da arte no século XX: Dois pontos de vista e um comentário". In: Revista Internacional Continente Sul/Sur, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 7, p. 105-119, jan. 1998. Ensaio comparativo abordando o romance Doktor Faustus, de Thomas Mann e o conto El perseguidor, de Júlio Cortázar.

Backes, Marcelo. "Resenha sobre o romance A cura do doutor Neruda para o mal, do escritor americano Rafael Yglesias". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 24 jan. 1998. Caderno de Cultura, p. 6. Critica.

Backes, Marcelo. "Ensaio sobre a poesia épica O naufrágio do Titanic, de Hans Magnus Enzensberger". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 14 fev. 1998. Caderno de Cultura.

Backes, Marcelo. "Estudo sobre o livro La part du feu, do crítico francês Marcel Blanchot". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 28 fev. 1998. Caderno de Cultura, p. 6. Critica.

Backes, Marcelo. "A estrada e a sofreguidão do afeto". In: Revista de Cultura gaúcha Blau Nunes, Porto Alegre, n. 20, p. 28-29, mar. 1998. Resenha sobre o livro Aquidauana, de Mauro Pinheiro.

Backes, Marcelo. "Viva a crítica que dá pau!" In: Revista Blau Nunes, Porto Alegre, n. 19, p. 3-11, mar. 1998. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre uma nova - e controversa - biografia de Goethe lançada na Alemanha, Die Liebkosungen des Tigers". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 04 abr. 1998. Caderno de Cultura, p. 3.

Backes, Marcelo. "Ensaio sobre o romance Um campo vasto, de Günter Grass". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 24 out. 1998. Caderno de Cultura, p. 3.

Backes, Marcelo. Coordenação e prefácio da obra Histoire de Gil Blas de Santillana, de Alain-René Lesage. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Coordenação e prefácio da obra Viagem ao redor de meu quarto, de Xavier de Maistre. [Por: Armindo Trevisan; Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Voyage autour de ma chambre).

Backes, Marcelo. Coordenação e prefácio da obra Viagens da minha terra, Almeida Garrett. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas de rodapé da obra A capital federal, de Artur de Azevedo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas da obra Antônio Chimango, de Amaro Juvenal. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas de rodapé da obra Leonor de Mendonça, de Gonçalves Dias. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas de rodapé da obra Macário, de Álvares de Azevedo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Prefácio da obra. Como e por que sou romancista, de José de Alencar. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. p. 5-9. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio da obra Instinto de nacionalidade, de Machado de Assis. Porto Alegre: Mercado Aberto,1999. p. 5-8.

Backes, Marcelo. Prefácio da obra Eu, de Augusto dos Anjos. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. p. 5-8. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio da obra O Uruguai, de Basílio da Gama. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999, p. 3-7.

Backes, Marcelo. Prefácio e notas de rodapé da obra Um homem célebre e outros contos imortais. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio e notas de rodapé da obra O alienista, de Machado de Assis. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio e notas de rodapé da obra O negro Bonifácio & outros contos, de Simões Lopes Neto. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Seleção, organização, prefácio e notas de rodapé da obra As relações naturais e outras comédias, de Qorpo Santo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Seleção, organização, prefácio e notas da obra Os melhores sermões, do padre Antônio Vieira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. 168 p. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre A lista dos melhores romances alemães do século XX". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 06 mar. 1999. Caderno de Cultura, p. 3.

Backes, Marcelo. "A moagem do ferro e a pelanca poética". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 2 dez. 2000. Caderno de Cultura, p. 7. Crítica sobre o livro Como se moesse ferro, de Altair Martins.

Backes, Marcelo. Prefácio da obra Nova Antologia Poética, de Armindo Trevisan. Porto Alegre: Sulina, 2001. p. 9-14.

Backes, Marcelo. "Uma carta ao pampa. Um terno de pássaros ao sul, de Fabrício Carpinejar". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 20 jan. 2001. Caderno de Cultura, p. 7. É uma nova Carta ao pai escrita em versos. Crítica sobre o livro mencionado.

Backes, Marcelo. "A língua e os arredores". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 7, p. 47-51, maio 2001. Ensaio.

Backes, Marcelo. Coordenação e texto de orelha da obra Poemas, de Emily Dickinson. [Por: Ivo Bender]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2002.

Backes, Marcelo. "Notas sobre a alma humana. Os 70 anos da morte de Arthur Schnitzler". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 12, p. 40-45, nov. 2001. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Considerações gerais acerca da tradução". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 15, p. 48-51, fev. 2002. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Um autor na janela: A vida e a obra de Robert Musil num instantâneo panorâmico". In: Revista Vox XXI, Rio Grande do Sul, n. 18, p. 3-6, maio 2002. Ensaio.

Backes, Marcelo. "A literatura gaúcha pelas beiradas". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 22, p. 26-35, set. 2002. Ensaio.

Backes, Marcelo. A arte do combate. A literatura alemã em cento e poucas chispas poéticas e outros tantos comentários. São Paulo: Boitempo, 2003. 367 p.

Backes, Marcelo. "A casa das sete letícias". In: Revista Aplauso, p. 16, fev. 2003. Crítica sobre o livro A casa das sete mulheres, de Leticia Wierzchowski.

Backes, Marcelo. "Blau Nunes: sua universalidade e seu modernismo". In: Grandes personagens da literatura gaúcha. Plural Comunicação: Porto Alegre, p. 27-30, 2003. Prefácio.

Backes, Marcelo. Guimarães Rosa em alemão: o sertão sem as veredas - Trabalho apresentado ao Curso de Doutorado em Romanística da Universidade de Freiburg, 2003. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Quinze considerações esparsas de Marx e Engels sobre diversos clássicos da literatura universal". In: Revista Margem esquerda, n. 2, p. 163-180, nov. 2003. Ensaio.

Backes, Marcelo; Renner, Rolf G. (Orgs.). Escombros e caprichos. O melhor do conto alemão no século 20. Porto Alegre: L&PM, 2004. 400 p. Tradução e comentários.

Backes, Marcelo. "Heinrich Heine, Crítico do capital". In: Revista Margem esquerda, n. 4, p. 55-72, out. 2004. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Uma síntese dialética do mundo gaúcho". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 2004. Caderno de Cultura, p. 7. Ensaio sobre o livro Tratado ontológico acerca das bolas do boi, de José Carlos Queiroga.

Backes, Marcelo. "Guimarães Rosa et un problème classique d'orientation dans l'activité traductionnelle ou " le chat est sorti du chat et il n'est resté que le corps du chat ". In: Kulessa, Rotraud von et Lombez, Christine: De la traduction et des transferts culturels, Frankreich, 2005. Ensaio.

Backes, Marcelo. Lazarus über sich selbst: Heinrich Heine als Essayist in Versen. Frankfurt am Mein: Peter Lang, 2005. 310 p. Tese de doutorado do Tradutor, publicada em alemão.

Backes, Marcelo. "Quixote entre a essência e a aparência. Sobre os 400 anos do romance de Cervantes". In: Cult, São Paulo, n. 90, mar. 2005. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Um momento ensaístico à história. Campo santo e a obra de Sebald". In: Cult 91. São Paulo, abr. 2005.

Backes, Marcelo. Estilhaços - minigâncias, digressões e batocaços. Rio de Janeiro e São Paulo: Record, 2006.

Palestras (relação parcial)

Palestra junto ao Seminário sobre A mulher na canção alemã e Cármen von Bizet. Organizado com a Secretaria de Cultura do Rio Grande do Sul, em 23 mar. 1997.

Palestra no Colóquio Internacional de comemoração dos 25 anos do Instituto de Letras - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sobre Mefistóles na condição de duplo Fausto até Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa, em 21 out. 1997.

Palestra junto ao Seminário Romanceiro da cidade - Berlim e Alfred Döblin. Organizado com a Secretaria cultural da cidade de Porto Alegre, em 08 nov. 1997.

Palestra junto ao II Fórum de Literatura Brasileira - A Literatura Brasileira entre o real e o possível: uma discussão de cânones com o título Riobaldo, uma 'leitura' brasileira do Fausto tradicional, em 11 dez. 1998.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre, sobre o Padre Antônio Vieira, 30 out. 1999.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre, sobre Os 100 anos da morte de Friedrich Nietzsche, em 04 nov. 2000.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre, sobre Os 70 anos da morte de Arthur Schnitzler, em 02 nov. 2001.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre: A Arte do Combate. A literatura alemã em cento e poucas chispas poéticas e outros tantos comentários, em 10 nov. 2003.

Palestra na Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg: A realidade brasileira na Cidade de Deus. O filme e o livro, em 29 jan. 2004.

Palestra na Universidade de Viena: Antropofagia e cultura de conflito na literatura brasileira, em 15 jun. 2004.

Palestra na Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg: O fogo de artifício do modernismo: a literatura de conflito no Brasil e a construção da brasilidade, em 02 jul. 2004.

Participação na banca de discussão: Cultura de conflito e cordialidade: o combate literário na Alemanha e Brasil, na Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg, por ocasião da publicação do livro do Tradutor: A arte da combate, em 07 jul. 2004.

Participação nas discussões da academia de verão para tradutor de literatura alemã no Colóquio literário de Berlim, de 23-29 ago. 2004.

Pequena palestra na Bienal de literatura de Frankfurt, sobre Literatura alemã no estrangeiro, de 9 -11 set. 2004.

Palestra no dia franco romanista 2004 (Seção De la traduction et des transfers culturels) da Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg, sobre Guimarães Rosa em francês e a problemática da tradução, de 29 set. a 2 out. 2004.

Prêmios

Prêmio Açorianos de Literatura 1999- categoria Tradução, por Noites florentinas, de Heinrich Heine, Mercado Aberto, 1998.

Prêmio Açorianos de Literatura 2000- categoria Tradução, por Emília Galotti e Minna von Barnhelm, duas peças de Gotthold E. Lessing, Mercado Aberto, 1999.

Finalista do Prêmio de Melhor Livro do Ano de 2003, categoria Não-Ficção, da Associação Gaúcha de Escritores - com A arte do combate, Boitempo, 2003.

Prêmio Açorianos de Literatura 2004 - categoria Tradução, por Ecce homo, de Friedrich Nietzsche. Porto Alegre: L&PM, 2003.

Backes, Marcelo. "Fausto: Narciso cego, cercado de espelhos". In: Revista Sextante, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, n. 18, p. 20-24, maio 1995.

Backes, Marcelo. Texto crítico sobre o livro O Colapso da Modernização - Da derrocada do socialismo de caserna à crise mundial, de Robert Kurz. In: Revista Sextante, Porto Alegre: Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, n. 19, p. 14-17, ago. 1995. Critica.

Backes, Marcelo. "Doze críticas sobre os mais importantes surgimentos da Feira de livro de Porto Alegre". In: Jornal Porto & Vírgula, Secretaria cultural da cidade de Porto Alegre, 1997. Crítica.

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre o trabalho de Heinrich Heine pelos duzentos anos de seu nascimento". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 29 mar.1997. Caderno de Cultura, p. 4. Crítica.

Backes, Marcelo. "O açúcar e o esterco da metrópole". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 07 jun. 1997. Caderno de Cultura, p. 4. Matéria sobre o principal romance de metrópole alemão Berlin Alexanderplatz, de Alfred Döblin. Crítica.

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre a tradução de Curt Meyer-Clason do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 16 ago. 1997. Caderno Cultura, p. 6. Crítica.

Backes, Marcelo. "Entrevista com o tradutor e ensaísta Bóris Schnaiderman". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 13 set. 1997. Caderno Cultura.

Backes, Marcelo. "Elementos para a compreensão de Mefistófeles como duplo de Fausto". In: Cadernos do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, out. 1997 (Publicação 2001). Ensaio que avalia a tradição fáustica no ocidente desde o Volksbuch alemão ao Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa.

Backes, Marcelo. "Elementos para a compreensão de Mefistófeles como duplo de Fausto". In: Caderno anual Colóquio Internacional Discurso, Memória, Identidade. Porto Alegre: Curso de Pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, out. 1997.

Backes, Marcelo (Org.)."Bertolt Brecht". In: Cadernos Porto & Vírgula. Porto Alegre: Secretaria de Cultura de Porto Alegre, 1998.

Backes, Marcelo. "O caminho da arte no século XX: Dois pontos de vista e um comentário". In: Revista Internacional Continente Sul/Sur, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 7, p. 105-119, jan. 1998. Ensaio comparativo abordando o romance Doktor Faustus, de Thomas Mann e o conto El perseguidor, de Júlio Cortázar.

Backes, Marcelo. "Resenha sobre o romance A cura do doutor Neruda para o mal, do escritor americano Rafael Yglesias". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 24 jan. 1998. Caderno de Cultura, p. 6. Critica.

Backes, Marcelo. "Ensaio sobre a poesia épica O naufrágio do Titanic, de Hans Magnus Enzensberger". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 14 fev. 1998. Caderno de Cultura.

Backes, Marcelo. "Estudo sobre o livro La part du feu, do crítico francês Marcel Blanchot". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 28 fev. 1998. Caderno de Cultura, p. 6. Critica.

Backes, Marcelo. "A estrada e a sofreguidão do afeto". In: Revista de Cultura gaúcha Blau Nunes, Porto Alegre, n. 20, p. 28-29, mar. 1998. Resenha sobre o livro Aquidauana, de Mauro Pinheiro.

Backes, Marcelo. "Viva a crítica que dá pau!" In: Revista Blau Nunes, Porto Alegre, n. 19, p. 3-11, mar. 1998. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre uma nova - e controversa - biografia de Goethe lançada na Alemanha, Die Liebkosungen des Tigers". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 04 abr. 1998. Caderno de Cultura, p. 3.

Backes, Marcelo. "Ensaio sobre o romance Um campo vasto, de Günter Grass". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 24 out. 1998. Caderno de Cultura, p. 3.

Backes, Marcelo. Coordenação e prefácio da obra Histoire de Gil Blas de Santillana, de Alain-René Lesage. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Coordenação e prefácio da obra Viagem ao redor de meu quarto, de Xavier de Maistre. [Por: Armindo Trevisan; Marcelo Backes]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Voyage autour de ma chambre).

Backes, Marcelo. Coordenação e prefácio da obra Viagens da minha terra, Almeida Garrett. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas de rodapé da obra A capital federal, de Artur de Azevedo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas da obra Antônio Chimango, de Amaro Juvenal. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas de rodapé da obra Leonor de Mendonça, de Gonçalves Dias. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Organização, prefácio e notas de rodapé da obra Macário, de Álvares de Azevedo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Backes, Marcelo. Prefácio da obra. Como e por que sou romancista, de José de Alencar. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. p. 5-9. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio da obra Instinto de nacionalidade, de Machado de Assis. Porto Alegre: Mercado Aberto,1999. p. 5-8.

Backes, Marcelo. Prefácio da obra Eu, de Augusto dos Anjos. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. p. 5-8. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio da obra O Uruguai, de Basílio da Gama. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999, p. 3-7.

Backes, Marcelo. Prefácio e notas de rodapé da obra Um homem célebre e outros contos imortais. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio e notas de rodapé da obra O alienista, de Machado de Assis. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Prefácio e notas de rodapé da obra O negro Bonifácio & outros contos, de Simões Lopes Neto. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Seleção, organização, prefácio e notas de rodapé da obra As relações naturais e outras comédias, de Qorpo Santo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. Seleção, organização, prefácio e notas da obra Os melhores sermões, do padre Antônio Vieira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. 168 p. (Série "Pequenas grandes obras").

Backes, Marcelo. "Um estudo sobre A lista dos melhores romances alemães do século XX". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 06 mar. 1999. Caderno de Cultura, p. 3.

Backes, Marcelo. "A moagem do ferro e a pelanca poética". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 2 dez. 2000. Caderno de Cultura, p. 7. Crítica sobre o livro Como se moesse ferro, de Altair Martins.

Backes, Marcelo. Prefácio da obra Nova Antologia Poética, de Armindo Trevisan. Porto Alegre: Sulina, 2001. p. 9-14.

Backes, Marcelo. "Uma carta ao pampa. Um terno de pássaros ao sul, de Fabrício Carpinejar". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 20 jan. 2001. Caderno de Cultura, p. 7. É uma nova Carta ao pai escrita em versos. Crítica sobre o livro mencionado.

Backes, Marcelo. "A língua e os arredores". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 7, p. 47-51, maio 2001. Ensaio.

Backes, Marcelo. Coordenação e texto de orelha da obra Poemas, de Emily Dickinson. [Por: Ivo Bender]. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2002.

Backes, Marcelo. "Notas sobre a alma humana. Os 70 anos da morte de Arthur Schnitzler". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 12, p. 40-45, nov. 2001. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Considerações gerais acerca da tradução". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 15, p. 48-51, fev. 2002. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Um autor na janela: A vida e a obra de Robert Musil num instantâneo panorâmico". In: Revista Vox XXI, Rio Grande do Sul, n. 18, p. 3-6, maio 2002. Ensaio.

Backes, Marcelo. "A literatura gaúcha pelas beiradas". In: Revista Vox XXI, Porto Alegre: Secretaria Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul, n. 22, p. 26-35, set. 2002. Ensaio.

Backes, Marcelo. A arte do combate. A literatura alemã em cento e poucas chispas poéticas e outros tantos comentários. São Paulo: Boitempo, 2003. 367 p.

Backes, Marcelo. "A casa das sete letícias". In: Revista Aplauso, p. 16, fev. 2003. Crítica sobre o livro A casa das sete mulheres, de Leticia Wierzchowski.

Backes, Marcelo. "Blau Nunes: sua universalidade e seu modernismo". In: Grandes personagens da literatura gaúcha. Plural Comunicação: Porto Alegre, p. 27-30, 2003. Prefácio.

Backes, Marcelo. Guimarães Rosa em alemão: o sertão sem as veredas - Trabalho apresentado ao Curso de Doutorado em Romanística da Universidade de Freiburg, 2003. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Quinze considerações esparsas de Marx e Engels sobre diversos clássicos da literatura universal". In: Revista Margem esquerda, n. 2, p. 163-180, nov. 2003. Ensaio.

Backes, Marcelo; Renner, Rolf G. (Orgs.). Escombros e caprichos. O melhor do conto alemão no século 20. Porto Alegre: L&PM, 2004. 400 p. Tradução e comentários.

Backes, Marcelo. "Heinrich Heine, Crítico do capital". In: Revista Margem esquerda, n. 4, p. 55-72, out. 2004. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Uma síntese dialética do mundo gaúcho". In: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 2004. Caderno de Cultura, p. 7. Ensaio sobre o livro Tratado ontológico acerca das bolas do boi, de José Carlos Queiroga.

Backes, Marcelo. "Guimarães Rosa et un problème classique d'orientation dans l'activité traductionnelle ou " le chat est sorti du chat et il n'est resté que le corps du chat ". In: Kulessa, Rotraud von et Lombez, Christine: De la traduction et des transferts culturels, Frankreich, 2005. Ensaio.

Backes, Marcelo. Lazarus über sich selbst: Heinrich Heine als Essayist in Versen. Frankfurt am Mein: Peter Lang, 2005. 310 p. Tese de doutorado do Tradutor, publicada em alemão.

Backes, Marcelo. "Quixote entre a essência e a aparência. Sobre os 400 anos do romance de Cervantes". In: Cult, São Paulo, n. 90, mar. 2005. Ensaio.

Backes, Marcelo. "Um momento ensaístico à história. Campo santo e a obra de Sebald". In: Cult 91. São Paulo, abr. 2005.

Backes, Marcelo. Estilhaços - minigâncias, digressões e batocaços. Rio de Janeiro e São Paulo: Record, 2006.

Palestras (relação parcial)

Palestra junto ao Seminário sobre A mulher na canção alemã e Cármen von Bizet. Organizado com a Secretaria de Cultura do Rio Grande do Sul, em 23 mar. 1997.

Palestra no Colóquio Internacional de comemoração dos 25 anos do Instituto de Letras - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sobre Mefistóles na condição de duplo Fausto até Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa, em 21 out. 1997.

Palestra junto ao Seminário Romanceiro da cidade - Berlim e Alfred Döblin. Organizado com a Secretaria cultural da cidade de Porto Alegre, em 08 nov. 1997.

Palestra junto ao II Fórum de Literatura Brasileira - A Literatura Brasileira entre o real e o possível: uma discussão de cânones com o título Riobaldo, uma 'leitura' brasileira do Fausto tradicional, em 11 dez. 1998.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre, sobre o Padre Antônio Vieira, 30 out. 1999.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre, sobre Os 100 anos da morte de Friedrich Nietzsche, em 04 nov. 2000.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre, sobre Os 70 anos da morte de Arthur Schnitzler, em 02 nov. 2001.

Palestra junto a Feira do livro de Porto Alegre: A Arte do Combate. A literatura alemã em cento e poucas chispas poéticas e outros tantos comentários, em 10 nov. 2003.

Palestra na Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg: A realidade brasileira na Cidade de Deus. O filme e o livro, em 29 jan. 2004.

Palestra na Universidade de Viena: Antropofagia e cultura de conflito na literatura brasileira, em 15 jun. 2004.

Palestra na Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg: O fogo de artifício do modernismo: a literatura de conflito no Brasil e a construção da brasilidade, em 02 jul. 2004.

Participação na banca de discussão: Cultura de conflito e cordialidade: o combate literário na Alemanha e Brasil, na Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg, por ocasião da publicação do livro do Tradutor: A arte da combate, em 07 jul. 2004.

Participação nas discussões da academia de verão para tradutor de literatura alemã no Colóquio literário de Berlim, de 23-29 ago. 2004.

Pequena palestra na Bienal de literatura de Frankfurt, sobre Literatura alemã no estrangeiro, de 9 -11 set. 2004.

Palestra no dia franco romanista 2004 (Seção De la traduction et des transfers culturels) da Universidade Albert-Ludwigs de Freiburg, sobre Guimarães Rosa em francês e a problemática da tradução, de 29 set. a 2 out. 2004.

Prêmios

Prêmio Açorianos de Literatura 1999- categoria Tradução, por Noites florentinas, de Heinrich Heine, Mercado Aberto, 1998.

Prêmio Açorianos de Literatura 2000- categoria Tradução, por Emília Galotti e Minna von Barnhelm, duas peças de Gotthold E. Lessing, Mercado Aberto, 1999.

Finalista do Prêmio de Melhor Livro do Ano de 2003, categoria Não-Ficção, da Associação Gaúcha de Escritores - com A arte do combate, Boitempo, 2003.

Prêmio Açorianos de Literatura 2004 - categoria Tradução, por Ecce homo, de Friedrich Nietzsche. Porto Alegre: L&PM, 2003.

 

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.