Heitor Berutti :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Heitor Berutti

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Heitor Brasil Berutti nasceu em 1900 e faleceu em 1974. Berutti se estabeleceu profissionalmente na cidade de Porto Alegre, onde atuou como bancário e jornalista no tradicional jornal Correio do Povo, ainda em existência. Nesse jornal ele criou duas colunas diferentes, “O Bric-a-Brac da Vida”, sob o pseudônimo de Nilo Tapecoara, e “Do homem e do mundo”, assinando como Bruno Lago. Berutti alcançou relativa fama e em 2002 uma praça na cidade de Porto Alegre recebeu o seu nome. 

Como tradutor, Berutti foi responsável por uma das primeiras traduções de um livro de Agatha Christie publicadas no Brasil. Sua tradução de The Murder of Roger Ackroyd, em português brasileiro O Assassinato de Roger Ackroyd, foi publicada pela Livraria do Globo, futura Editora Globo, em 1933. Nenhuma evidência de qualquer outra tradução feita por Berutti foi encontrada.

Verbete publicado em 29 de November de 2013 por:
Vanessa Lopes Lourenço Hanes
Andréia Guerini

Excertos de traduções

Excerto de O Assassinato de Roger Ackroyd, de Agatha Christie. Tradução de Heitor Berutti.

I pushed past him into the hall.

Entrei afobado no vestíbulo, empurrando Parker.

“Where is he?” I demanded sharply.

–Onde está? – perguntei alvoroçadamente.

“I beg your pardon, sir?”

– Deseja, doutor?

“Your Master. Mr. Ackroyd. Don’t stand there staring at me, man. Have you notified the police?”

–O seu patrão, o sr. Ackroyd. Não fique a olhar-me assim, apatetado. Avisou a polícia?

“The police, sir? Did you say the police?” Parker stared at me as though I were a ghost.

–A polícia? A polícia?

Parker olhou-me assombrado como se eu fosse um espectro.

“What’s the matter with you, Parker? If, as you say, your master has been murdered------”

–Mas, que foi que me disse, Parker? Se, como me disse, seu patrão foi assassinado…

A gasp broke from Parker.

 

“The master? Murdered? Impossible sir!”

– O patrão? Assassinado? Impossível, doutor.

It was my turn to stare.

Por minha vez olhei-o apatetado.

“Didn’t you telephone to me, not five minutes ago, and tell me that Mr. Ackroyd had been found murdered?”

–Mas não me telefonou há cinco minutos, dizendo-me que o sr. Ackroyd fôra encontrado assassinado?

“Me, sir? Oh! No indeed, sir. I wouldn’t dream of doing such a thing.”

–Eu, doutor? Eu, não. Nem por sonho permitir-me-ia semelhante coisa.

“Do you mean to say it’s all a hoax? That there’s nothing the matter with Mr. Ackroyd?” (p. 49)

–Quer dizer que se trata de uma brincadeira idiota? Então nada aconteceu ao sr. Ackroyd?(p. 48)

Christie, Agatha. The Murder of Roger Ackroyd. New York: Dodd, Mead & Company,1926.

Christie, Agatha. O Assassinato de Roger Ackroyd. [Por: Heitor Berutti]. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1933.

Bibliografia

Traduções Publicadas

Christie, Agatha.  O Assassinato de Roger Ackroyd. [Por: Heitor Berutti]. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1933. (The Murder of Roger Ackroyd). Romace policial.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.