Graciliano Ramos :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Graciliano Ramos

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Romancista, tradutor, cronista, contista, jornalista e político, Graciliano Ramos de Oliveira nasceu em 27 de outubro de 1892 na cidade de Quebrangulo no sertão de Alagoas. Uma de suas característica marcantes concerne à adoção de diversos pseudônimos enquanto jornalista. Em 1904 criou o Dilúculo, jornalzinho voltado às crianças da cidade de Viçosa. Redigiu o jornal Echo Viçosense, no qual Mário Venâncio, seu mentor intelectual, era redator. Publicou sonetos na revista carioca O Malho, assinando como Feliciano de Olivença. Em 1909 publicou o soneto Céptico no Jornal de Alagoas sob o pseudônimo Almeida Cunha. Em 1911 cooperou com o Correio de Maceió, assinando como Soares Lobato. Se apresentou também como Soares de Almeida Cunha e Lambda.

Em 1914 transferiu-se para o Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, e parte do ano seguinte, trabalhou como revisor de provas tipográficas nos jornais cariocas Correio da Manhã, A Tarde e O Século. Concomitantemente, escreveu para o Jornal de Alagoas e o Paraíba do Sul, jornal fluminense utilizando o psedônimo Ramos de Oliveira, reduzido às iniciais R.O.. Graciliano Ramos de Oliveira casou-se em 1915, teve quatro filhos, ficando viúvo cinco anos mais tarde.

Em 1927 elegeu-se prefeito da cidade de Palmeira dos Índios e assumiu o cargo em 1928. Renunciou à prefeitura, em 10 de abril de 1930, e mudou-se para Maceió, onde foi nomeado diretor da Imprensa Oficial de Alagoas. Casou-se com Heloisa Leite de Medeiros em 1928 e teve mais quatro filhos. Pediu demissão, em 1931, do cargo de diretor da Impressa Oficial. Em 1933 foi nomeado diretor da Instrução Pública de Alagoas, cargo equivalente ao de Secretário Estadual da Educação, atuando paralelamente como redator no Jornal de Alagoas. Nas páginas deste último publicou Comandante dos Burros, Doutores e Mulheres. Em 1933 lançou seu primeiro romance, intitulado Caetés. Neste período também assinou como Lúcio Guedes. No ano seguinte, 1934, lançou seu segundo livro, o romance São Bernardo. Em março de 1936 foi preso em Maceió e levado ao Rio de Janeiro durante a operação de caça a acusados de militância comunista. Em agosto publicou seu terceiro romance Angústia, que lhe concedeu o Prêmio Lima Barreto. Em janeiro de 1937 saiu da prisão. Escreveu a obra infantil A Terra dos Meninos Pelados, Prêmio de Literatura Infantil do Ministério da Educação no ano de 1937. O romance Vidas Secas, seu quarto livro, um dos mais importantes de sua carreira, foi publicado no ano seguinte. Em 1939 estabeleceu-se no Rio de Janeiro, exercendo o cargo de Inspetor Federal de Ensino Secundário. No ano seguinte, iniciou seu primeiro trabalho de tradução com a obra Up From Slavery (Memórias de um negro) do autor Booker Washington. Em 1941 lançou na Revista Cultura Política uma série de crônicas intituladas Quadros e Costumes do Nordeste, posteriormente publicadas em forma de livro, com o título Viventes das Alagoas. Pelo conjunto de sua obra recebeu o Prêmio Felipe de Oliveira em 1942. O romance Brandão entre o Mar e o Amor surgiu da parceria com Jorge Amado, José Lins do Rego, Aníbal Machado e Rachel de Queiroz. Lançou em 1944 Histórias de Alexandre e em 1945  Infância e Dois Dedos. Filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro em 1945. Publicou Histórias Incompletas em 1946, obra que reuniu os contos Dois Dedos e Luciana; três capítulos de Vidas Secas e quatro capítulos de Infância. Seu sexto livro Insônia foi lançado em 1947. Traduziu o romance La Peste (A Peste) do autor Albert Camus em 1950. No ano seguinte, 1951, já como Presidente da Associação Brasileira de Escritores, publicou Sete Histórias Verdadeiras extraídas de Histórias de Alexandre. Em 1952 viajou pela União Soviética, Tchecoslováquia, França e Portugal. Neste mesmo ano, em Buenos Aires, foi submetido a uma cirurgia sem sucesso, retornando ao Rio de Janeiro gravemente doente. Em 1953, internado, faleceu em decorrência de um câncer pulmonar. Postumamente, sua esposa Heloisa Leite de Medeiros se encarregou de publicar Memórias do Cárcere (1953); Viagem (1954); Linhas Tortas, Viventes das Alagoas e Alexandre e outros Heróis (1962). Em 1962 a obra Vidas Secas recebeu o Prêmio da Fundação William Faulkner (EUA). No ano de 1982 Heloisa publicou Cartas, com correspondências pessoais do autor.

Verbete publicado em 15 de April de 2012 por:
Greice Bauer
Ronaldo Lima

Bibliografia

Traduções Publicadas

WASHINGTON, Booker T. Memórias de um negro. [Trad. Graciliano Ramos] São Paulo: Nacional, 1940. (Up From Slavery) Biografia.

CAMUS, Albert. A peste. [Trad. Graciliano Ramos] Rio de Janeiro: José Olympio, 1951. (La Peste) Romance.

Obra própria

RAMOS, Graciliano. Caetés. Rio de Janeiro: Schmidt, 1933. Romance.

RAMOS, Graciliano. São Bernardo. Rio de Janeiro: Ariel, 1934. Romance.

RAMOS, Graciliano. Angústia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936. Romance.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938. Romance.

RAMOS, Graciliano. A Terra dos Meninos Pelados. Porto Alegre: do Globo, 1939. Lieratura infantil.

RAMOS, Graciliano; MACHADO, Anibal; AMADO, Jorge; REGO, Jose Lins do; QUEIROZ, Raquel de. Brandão entre o Mar e o Amor. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942. Romance.

RAMOS, Graciliano. Histórias de Alexandre. Rio de Janeiro: Leituras, 1944. Literatura infanto-juvenil.

RAMOS, Graciliano. Infância. Rio de Janeiro: José Olympio, 1945. Memórias.

RAMOS, Graciliano. Histórias Incompletas. Porto Alegre: do Globo, 1946. Contos.

RAMOS, Graciliano. Insônia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. Contos.

RAMOS, Graciliano. Memórias do Cárcere. Rio de Janeiro: José Olympio, 1953. Obra póstuma: Memórias.

RAMOS, Graciliano. Viagem. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954. Obra póstuma: Crônica.

RAMOS, Graciliano. Linhas Tortas. São Paulo: Martins, 1962. Obra póstuma: Crônica.

RAMOS, Graciliano. Viventes das Alagoas. São Paulo: Martins, 1962. Obra póstuma: Crônica.

RAMOS, Graciliano. Alexandre e outros heróis. São Paulo: Martins, 1962. Obra póstuma: literatura infanto-juvenil.

RAMOS, Graciliano. Cartas. Rio de Janeiro, 1982. Obra póstuma: Cartas pessoais.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.