Bernardina Lea Maria da Silveira Pinheiro :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Bernardina Lea Maria da Silveira Pinheiro

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

Bernardina Lea Maria da Silveira Pinheiro nasceu no Distrito Federal, Rio de Janeiro, em 31 de janeiro de 1922.

Filósofa, professora emérita, pesquisadora, escritora e tradutora, domina perfeitamente o português, o inglês e o francês.

Diplomou-se em filosofia na antiga Universidade do Brasil, em 1949. Cursou o Mestrado na Faculdade de Letras na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 1974. É Professora Emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Livre Docente em literatura inglesa e Doutora em Letras com uma tese sobre a densidade semântica na poesia de Gerard Manley Hopkins (1974). Realizou pesquisa de pós-doutorado sobre Ulisses de James Joyce no University College em Londres, Inglaterra, e em Dublin, na Irlanda (1986). Em 1952 começou a lecionar no Colégio Pedro II e na Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil, em 1960. Sua principal profissão é, pois, o magistério que sempre exerceu paralelamente às traduções e que exerce até hoje com palestras e cursos particulares.

Enquanto traduzia Ulisses, depois de aposentada da Universidade, deu diferentes cursos de leitura da obra de Joyce, entre 1975 e 1976, na Escola Letra Freudiana, para psicanalistas, em função dos Seminários de Jacques Lacan, Le Sinthome. Também ministrou aulas semelhantes sobre Joyce em outros cursos particulares. Ainda hoje, no dia 16 de junho, organiza todos os anos, no Rio de Janeiro, as comemorações do Bloomsday  que incluem leituras, dramatização por atores de textos de Joyce, palestras e música irlandesa.

Traduz do inglês e do francês por conhecer muito bem as duas línguas. Hoje em dia, ela prefere traduzir do inglês para o português e escolhe as traduções que vai fazer.

Verbete publicado em 7 de November de 2007 por:
Lilia L. C. Agnes
Andréia Guerini

Modificado em 12 de November de 2007

Excertos de traduções

Excerto de Ulisses, de James Joyce: Capítulo 8, monólogo de Leopold Bloom. Tradução de Bernardina Lea Maria da Silveira Pinheiro:

Pillowed on my coat she had her hair, earwigs in the heather scrub my hand under her nape, you´ll toss me all. O wonder! Coolsfot with ointments her hand touched me, caressed: her eyes upon me did not turn away. Ravished over her I lay, full lips full open, kissed her mouth. Yum. Softly she gave me in my mouth the seedcake warm and chewed. Mawkish pulp her mouth had mumbled sweetsour of her spittle. Joy: I ate it: joy. Young life, her lips that gave me pouring. Soft warm sticky gumjelly lips. Flowers her eyes were, take me, willing eyes. Pebbles fell. She lay still. A goat. No-one. High on Bem Howth rhododendrons a nannygoat walking surefooted, dropping currants. Screened under ferns she laughed warmfolded. Wildly I lay on her, kissed her: eyes, her lips, her stretched neck beating, woman´s breasts full in her blouse of nun´s veiling, fat nipples upright. Hot I tongued her. She kissed me. I was kissed. All yielding she tossed my hair. Kissed, she kissed me.

Com meu casaco servindo de travesseiro para seus cabelos, centopéias na urze esfregavam minha mão por baixo da sua nuca, você vai me amarrotar toda. Ó coisa maravilhosa! Sua mão suavificada por cremes me tocou, me acariciou. Abaixo de mim seus olhos não se esquivaram. Deitado sobre ela extasiado, com todos os meus lábios bem abertos, eu beijei sua boca. Hum. Docemente ela fez deslizar em minha boca o bolo de sementes aromáticas quente e mastigado. Pasta enjoativa que sua boca tinha mastigado com sua saliva agridoce. Alegria: eu a comi: alegria. Vida jovem, seus lábios que fizeram beicinho. Lábios suaves quentes pegajosos gengiva gelatinosa. Verdadeiras flores eram seus olhos, me tome, olhos que desejam. Seixos caíram. Ela estava deitada imóvel. Um bode. Ninguém. No alto nos rododendros de Ben Howth uma cabra andando com um passo seguro, semeando suas passas de Corinto. Encoberta por samambaias ela ria no abraço apertado e quente. Sofregamente eu me deitei sobre ela e a beijei: seus olhos, seus lábios, seu pescoço esticado que pulsava, seus seios fartos de mulher em sua blusa de tecido fino de lã, seus mamilos redondos e rijos. Inflamado eu a lambi. Ela me beijou. Eu fui beijado. Toda entregue ela ouriçou meu cabelo. Beijou, ela me beijou.

Me. And me now.

A mim. E eu agora.

Bibliografia

Traduções Publicadas

JOYCE, James. Um retrato do artista quando jovem. [Por:Bernardina da Silveira Pinheiro]. São Paulo: Siciliano, 1992.

JOYCE, James. Ulisses. [Por: Bernardina da Silveira Pinheiro]. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

JOYCE, James. Um retrato do artista quando jovem. [Por: Bernardina da Silveira Pinheiro]. Rio de Janeiro: Objetiva/Alfaguara, 2006.

STERNE, Laurence.Uma viagem sentimental através da França e da Itália.[Bernardina da Silveira Pinheiro].

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.