Aldyr Garcia Schlee :: DITRA - Dicionário de tradutores literários no Brasil :: 
Dicionário de tradutores literários no Brasil


Aldyr Garcia Schlee

Perfil | Excertos de traduções | Bibliografia

 

Aldyr Garcia Schlee nasceu em 1934 em Jaguarão, município do Rio Grande do Sul que faz fronteira com o Uruguai. Casado, pai de três filhos, atualmente reside no interior do município de Capão do Leão, próximo à cidade gaúcha de Pelotas. É bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, Doutor em Ciências Humanas e livre-docente de Direito Internacional.  Atuou como desenhista profissional (vencedor do Concurso Nacional para a escolha do uniforme da seleção brasileira de futebol em 1953) e como jornalista, tendo no currículo o Prêmio Esso de Reportagem de 1963. Foi professor da Universidade Católica e da Universidade Federal de Pelotas, onde ocupou o cargo de Pró-reitor de 1989 a 1992. Até  2003, foi professor visitante do Programa de Pós-Graduação em Letras da PUCRS, inicialmente na condição de bolsista da CAPES e, depois, como pesquisador do CNPq. 

 

Sua obra literária é marcada pelo signo fronteiriço, escrita igualmente em português e em espanhol. Dois de seus livros - El dia em que El Papa fue a Melo e Cuentos de Fútbol - foram editados inicialmente no Uruguai e, depois, vertidos ao português pelo próprio autor, num caso raro de autotradução.

Começou a traduzir despretensiosamente, para ajudar os filhos pequenos a entenderem as histórias da gauchesca platina. Somente em 1990 publicou suas primeiras traduções, juntamente com Sérgio Faraco, na antologia Para sempre Uruguai. Foi a primeira vez que os contistas uruguaios foram editados no Brasil. Até hoje, foca seu trabalho na literatura uruguaia e argentina, tendo traduzido autores como Domingo Faustino Sarmiento, Ricardo Güiraldes e Eduardo Acevedo Díaz.  Também passou para o espanhol algumas obras de João Simões Lopes Neto e de Cyro Martins.

Como escritor, foi vencedor da I Bienal de Literatura Brasileira, em 1982, com a obra Contos de Sempre, da II Bienal, em 1984, com o livro Uma terra só, e finalista do Prêmio Casa de las Américas com Linha divisória. Ganhou ainda três prêmios Açorianos de Literatura: em 1997, pela tradução de Facundo, de Sarmiento, em 1998, por Contos de Futebol e em 2001, por Contos de Verdades.

Verbete publicado em 12 de August de 2009 por:
Marlova Gonsales Aseff
Marie-Hélène Catherine Torres

Bibliografia

Traduções Publicadas

 

TRADUÇÕES ESPANHOL-PORTUGUÊS

Para Sempre Uruguai (Antologia de contos). Tradução de Sérgio Faraco e Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro, 1990.

 

Sarmiento, Domingo Faustino. Facundo: civilização e barbárie no pampa argentino. Tradução, notas e estudo crítico de Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul / Editora da Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1996.

 

Acevedo Díaz, Eduardo. Pátria Uruguaia. Antologia. Seleção, tradução e notas de Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro, 1997.

 

Güiraldes, Ricardo. Don Segundo Sombra.Tradução de Augusto Meyer, revisão da tradução por Aldyr  Garcia Schlee. Porto Alegre: LP&M, 1997.

 

TRADUÇÕES PORTUGUÊS- ESPANHOL

 

Lopes Neto, João Simões. La salamanca del Jarau. Porto Alegre: IEL-IGEL, 1991.

                                                                                         

Martins, Cyro. Campo fora/Campo afuera. Edição bilíngue português/espanhol. Tradução para o espanhol de Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre, IEL/CELPCYRO, 2000.  

Obra própria

CONTOS

Schlee, Aldyr G. Contos de sempre. São Paulo: RL Editores, 1983. (2ª ed., Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988; 3ª ed., Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998).

Schlee, Aldyr G. Uma terra só. São Paulo: Melhoramentos, 1984.

Schlee, Aldyr G.Linha divisória. São Paulo: Melhoramentos, 1988.

Schlee, Aldyr G. Cuentos de fútbol. Montevideo:La Banda Oriental, 1995.

Schlee, Aldyr G. El día en que el Papa fue a Melo. Montevideo: La Banda Oriental. 1991.

Schlee, Aldyr G. Contos de verdades. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2000.

ROMANCE

Schlee, Aldyr G. Don Frutos. (Inédito)

 

AUTOTRADUÇÕES

Schlee, Aldyr G. Contos de futebol. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1997.

Schlee, Aldyr G. O dia em que o papa foi a Melo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

Schlee, Aldyr G. Cuentos de Verdades. Montevideo: La Banda Oriental (no prelo).

Schlee, Aldyr G. Don Frutos. Montevideo: La Banda Oriental. (Inédito).

 

Schlee, Aldyr G. “Aquella tarde imposible”. In: Escrito en el césped (antología). Montevideo: La Banda Oriental, 1998.

 

 

OUTROS

 

Lopes Neto, João Simões. Contos Gauchescos e Lendas do Sul. Edição crítica, com introdução, comentários, notas, glossário, registro de variantes e estabelecimento do texto por Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: IEL/ UNISINOS, 2006.  2 volumes.

 

 

PUBLICAÇÕES EM ANTOLOGIAS:

 

“A Falta de Tabaré”. In:22 contistas em campo (seleção de Flávio Moreira da Costa). Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

“Encanto de Futebol”.  In: Contos Brasileiros de Futebol. Brasília: L.G.E,  2005.

“O Barco das Ilusões” e “Como uma parábola.”  In: Os 35 melhores contos do Rio Grande do Sul (org. de Maria da Glória Bordini).  Porto Alegre: Corag/IEL, 2003.

 “Maria Adélia”.  In: Trilhos na Cabeça. Edizioni Dr. Antonino Sfameni, Messina (Itália), 2003.

“Maestros del Fútbol” e “Maria Adélia”.  In: Meia encarnada dura de sangue (org. de Ruy Carlos Ostermann). Porto Alegre: Artes  & Ofícios,  2001.

“Noite de Natal”.  In: Cinco histórias do sul.  Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 2001.

“Braulina” e “Anão de Circo”  In: Para ler os gaúchos. Porto Alegre:  Novo Século, 2000

“Conto IX”.  In: Contos sem fronteiras. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 2000.

“A Viúva de Quinteros”.  In: O Autor Presente - Literatura Gaúcha. Porto Alegre: IEL, 1997.

“Os Alemães” (relato). In: Nós, os teuto-gaúchos.Porto Alegre:UFRGS, 1996.

“Que trama é esta do será, do é, do foi?” (devaneio). In: Nós, os gaúchos II. Porto Alegre: UFGRS, 1994.

 “Don Sejanes”. In: Cuentos Brasileños Contemporáneos. Havana: Arte y Literatura, 1991.

 “A Verdade e a Mentira sobre Hugo del Carril e o Grande Heleno de Freitas”.  In: Ficções. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

“O Sinal”.  In: Pau Brasil. São Paulo: DAAE, 1986.

“Ida e Volta”.  In: Rodízio de contos. Porto Alegre:  Mercado Aberto, 1985.

“Pan Viejo”, “Pláquete-pláquete” e “O Sulque de Rodas Vermelhas”.  In: Histórias Ordinárias. Porto Alegre: Cooperativa de Escritores Gaúchos, 1977.

Apresentação | Créditos | Contato | Admin

ISBN:   85-88464-07-1

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Comunicação e Expressão

Apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Última atualização desta página

©2005-2022 - NUPLITT - Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução

Site melhor visualizado em janelas com mais de 600px de largura disponível.